Furlan explica polêmica sobre instituição de férias para o executivo

José Roberto Furlan comenta polêmica relativa às suas férias

José Roberto Furlan comenta polêmica relativa às suas férias

O prefeito de Jardim Alegre, José Roberto Furlan, comentou sobre a polêmica da aprovação do projeto de Lei que institui férias de 30 dias para o prefeito. Jardim Alegre era uma das poucas cidades da região que ainda não previa isso. “Alguns vereadores entenderam a nossa solicitação e outros não, mas procuramos mostrar que os próprios vereadores têm um período de recesso que, às vezes, passa de 30 dias, e não deixam de receber seus salários; além disso, o prefeito não tem direito a 13º salário e nem a FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e a nossa preocupação é que o município ande bem”, explicou José Roberto Furlan.

Ele lembra que o prefeito não tem hora para sair ou para chegar e, muitas vezes, enquanto a população dorme, o prefeito já está na estrada a caminho de Curitiba ou Brasília para buscar recursos. “Às vezes, venho para a prefeitura às 6h00 ou 7h00 da manhã e não é raro os finais de semana que vou a algum compromisso, vistorio obras e visito comunidades. Muitas vezes abro mão da convivência familiar para representar o município ou resolver algum problema da cidade”, cita.

Ele destaca que sua gestão tem se pautado pela transparência e respeito à população e ao dinheiro público. “Se alguém achar que estamos errando, nos fale e podemos corrigir, mas eu vejo que a população está compreendendo isso, pois todo o trabalhador tem férias, assim como juiz, promotor e o prefeito é um ser humano de carne e osso e merece respeito”, frisa.

Para Furlan, a possibilidade de tirar férias será benéfica também para a cidade, pois o gestor volta com a cabeça mas tranquila e pode aproveitar esse período e ir a outras cidades, conhecer novas experiências e trazer outras ideias”, frisa o prefeito de Jardim Alegre.