Em dia de homenagens, Sinepe Noroeste empossa diretoria e lança sua história em livro

Wilson Matos Filho, vice-reitor da Unicesumar continua mais um mandato como presidente. Por: Divulgação

Wilson Matos Filho, vice-reitor da Unicesumar continua mais um mandato como presidente

Fonte: Divulgação

Acontece nesta quinta-feira, 19, às 19h30, com um jantar para 300 pessoas no Giardino Eventos, a posse da nova diretoria do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Noroeste do Paraná (Sinepe/NOPR), eleita em 2021.

O evento contará com a presença de dirigentes de sindicatos do setor de diversas cidades brasileiras e da federação, a Fenep, além do lançamento do livro sobre a história dos 30 anos do Sinepe.

Antes da posse, às 9h30, o sindicato receberá na Câmara Municipal o Brasão do Município e o Título de Mérito Comunitário, em alusão aos 30 anos de serviços prestados à educação maringaense.

Em chapa única, Wilson de Matos Silva Filho foi reeleito em outubro do ano passado e segue para a quarta gestão. Como vice-presidente, o sindicato contará com o professor José Carlos Barbieri.

Fundado em 3 de abril de 1992, nas dependências do Colégio Paraná, o Sinepe/NOPR representa 350 instituições de ensino de 114 municípios do noroeste do Paraná. O sindicato teve seu trabalho evidenciado durante a pandemia, defendendo junto a autoridades públicas a importância das aulas presenciais e impetrando ação na Justiça para garantir o aprendizado e proteção de profissionais e estudantes nos ambientes escolares.

Embora tenha sido fundado em 1992 – o segundo do interior do Paraná depois de Londrina, que nasceu em 1991 –, entusiastas da entidade atuaram pela sua formalização desde meados da década de 1980. Um movimento robusto para atender demandas de instituições de ensino de Maringá e região se formou em 1989, junto à Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep). O objetivo era ultrapassar os limites de Maringá, fortalecendo o setor em toda a região.

“A partir do momento que se conseguiu congregar as instituições de ensino superior, colégios e os cursinhos pré-vestibulares, que explodiram depois da década de 1980, houve o estabelecimento de uma verdadeira união entre os proprietários de instituições de ensino. E o que antes era concorrência, passou a ser uma soma de esforços em prol do segmento. A formalização do Sinepe e o incentivo ao setor nasceram a partir do associativismo”.
Wilson Filho

Presidente conta história da entidade em livro

O histórico da entidade está descrito no livro de autoria de Wilson Filho, que assina a publicação após entrevistas com ex-presidentes e curadoria de fotos históricas. No livro, ele conta que nomes como os dos professores Wilson Matos e Amaury Antonio Meller, o primeiro presidente, foram fundamentais para a consolidação de uma entidade interiorana e menos curitibana. Ao lado dos professores Arnaldo Antonio Piloto e Claudio Ferdinandi, este focado em arrecadação de fundos para fortalecer o sindicato, deu-se a organização do sindicato, com a criação de estatuto e regimento interno.

Um ponto de destaque na história foi a gestão de Carlos Anselmo Corrêa. Nessa fase, houve a mudança da sede para a avenida Brasil, na esquina com a avenida Riachuelo, readequação do estatuto e a mudança de governança, ampliando a base de atuação. Em 2004, diante de necessidades específicas, o Sinepe ajudou a fundar três sindicatos: de escolas infantis, de academias e de idiomas, todos ainda atuantes. “Nos anos 2000, o trabalho foi bastante voltado para profissionalizar o Sinepe. Houve mudança de sede, inauguração de espaço para reuniões, treinamentos para servidores das escolas e outros eventos. Foi o momento em que o sindicato extrapolou seus limites, transformando a vida dos sindicalizados e colaboradores das instituições de ensino”, comenta o presidente.

Wilson Filho ressalta que um dos personagens centrais para a história foi o professor José Carlos Barbieri, que presidiu a entidade em dois períodos. Na última passagem pela presidência, entre 2013 e 2019, Barbieri liderou transformações e a formação de colaboradores. Também foi nessa fase que o sindicato viu o número de filiados crescer. O presidente salienta o papel das advogadas Luciana Satiko Nó Mendes e Dâmares Ferreira, além de Ana Paula Mira, do setor financeiro, para que fosse possível alçar os objetivos como a criação de um arquivo histórico e o aumento do número de eventos, além do aumento de filiados.

Entidade em casa própria

A inauguração de uma nova sede, ampla e aconchegante na Avenida Carneiro Leão, iniciada na gestão de Barbieri, foi concretizada em 2020, quando retornou à presidência Wilson Filho – ele presidiu o sindicato nas gestões 2011/2013, 2013/2015 e 2019/2021. Nesse período, a representação dos filiados junto às demandas que surgiram com a pandemia de Covid-19 se intensificou. “Com o apoio do professor Barbieri, atuamos para o retorno às aulas de forma segura para profissionais e estudantes, a fim de defender a educação e o equilíbrio econômico do segmento. Levantamos essa bandeira que ajudou a incluir a educação como atividade essencial no Paraná, sempre defendendo a volta às aulas o mais rápido possível”, diz.

Parcerias para expansão

A atuação de Wilson Filho vem sendo voltada à representação do sindicato junto a outras instituições, o que é fundamental para a expansão da base territorial da entidade, que ultrapassou a casa dos 100 filiados, o que faz do Sinepe/NOPR um dos mais importantes do Brasil.

Segundo o presidente, a preocupação agora é renovar lideranças para as próximas décadas. Em 30 anos de história, foram seis presidentes, o que demonstra comprometimento dos personagens envolvidos e abre espaço para que novas gerações possam contribuir para o desenvolvimento da entidade. “Desde a década de 1980 até hoje somos parceiros, não concorrentes. Atuamos em conjunto para melhorar a educação na região. Agora é a hora de chamar novas lideranças que convirjam nesse sentimento e compromisso”.