Assistência Social de Jardim Alegre prepara atividades relativas ao 18 de maio

Imagem da notícia.

A Secretaria de Assistência Social de Jardim Alegre de Jardim Alegre finaliza nessa quarta-feira, dia 18 de maio, as atividades relativas ao Dia Nacional de Combate ao Abuso Sexual de Crianças e Adolescentes. As atividades iniciaram na segunda-feira, dia 16 de maio, com entrevistas na Rádio Comunitária Cidade Jardim FM com os profissionais do Creas (Centro de Referência em Especialidades da Assistência Social) para tratar sobre o tema.

Na terça-feira, dia 17 de maio, a entrevista na rádio comunitária foi realizada com as integrantes do Conselho Tutelar, que tiveram a oportunidade de esclarecer dúvidas sobre o tema. A Secretaria de Assistência Social também realizou uma interação com as crianças que utilizam o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos e que participam da Oficina de Capoeira.

Nessa quarta-feira, dia 18 de maio, as atividades têm início às 8h30, com uma palestra proferida pelo promotor Egídio Klauck e com a psicóloga Mariceli Aparecida Sarge Bernini, no Creas; e a partir das 13h30 acontece uma carreata, saindo em frente ao Restaurante Chapa Quente, seguindo até o Cras de Jardim Alegre.

As atividades do dia de combate ao abuso sexual de crianças e adolescentes fazem parte da campanha Faça Bonito e a proposta é destacar a data para mobilizar, sensibilizar, informar e convocar toda a sociedade a participar da luta em defesa dos direitos de crianças e adolescentes. É preciso garantir a toda criança e adolescente o direito ao seu desenvolvimento de forma segura e protegida, livres do abuso e da exploração sexual.

A data de 18 de Maio é determinada oficialmente pela Lei 9.970/2000, em memória da menina Araceli que, em 18 de maio de 1973, na cidade de Vitória (ES), chocou todo o país com o crime bárbaro e ficou conhecido como o “Caso Araceli”. Esse era o nome de uma menina de apenas oito anos de idade, que teve todos os seus direitos humanos violados; foi sequestrada, violentada e assassinada e o crime, de natureza hedionda, até hoje está impune.

A secretária de Assistência Social de Jardim Alegre, Sônia Maria de Santana, comenta as diferenças entre o abuso e a exploração sexual. No caso do abuso, a criança é utilizada por um adulto ou mesmo um adolescente, para praticar algum ato de natureza sexual. O termo é utilizado de forma ampla para categorizar atos de violação sexual em que não há consentimento da outra parte; constitui esse tipo de violência qualquer prática com teor sexual que seja forçada, como a tentativa de estupro ou carícias indesejadas. Na exploração sexual, o adulto usa crianças e adolescentes com propósito de troca ou de obter lucro financeiro ou de outra natureza em turismo sexual, tráfico, pornografia, ou também em rede de prostituição.

“Diariamente, crianças e adolescentes são expostos a diversas formas de violência nos ambientes por eles frequentados e, dessa forma, a família, a sociedade e o poder público devem ser envolvidos na discussão e nas atividades propostas em relação à prevenção ao abuso e exploração sexual, alertando, principalmente, que as vítimas, em sua grande maioria, não têm a percepção do que é o abuso sexual”, explica Sônia Santana.

Ela destaca que a população precisa fazer sua parte e denunciar qualquer atitude suspeita e isso pode ser feito pelo fone 100, ou encaminhar a denúncia junto ao Conselho Tutelar ou outro serviço de proteção à criança e adolescente.

A secretária municipal de Assistência Social, Sônia Santana, comenta que durante o período de pandemia houve um número maior de denúncias e foi necessário contratar uma equipe extra. “Tivemos que recorrer a uma equipe emergencial, porque só os nossos profissionais não deram conta; tivemos muitos atendimentos e denúncias apuradas durante o período de pandemia”, salienta.