Início da safra de trigo é promissor na região de Ivaiporã

Fernando Soster mostra trigo com bom desenvolvimento inicial

Fernando Soster mostra trigo com bom desenvolvimento inicial

O engenheiro agrônomo e chefe do departamento técnico da Unidade da Coamo de Ivaiporã, Fernando Soster, fez uma avaliação positiva do início da safra de trigo na região de Ivaiporã. Ele comenta que cerca de 30% das áreas destinadas à lavoura já foram semeadas e o desenvolvimento inicial está muito positivo.

Para ele, o clima favorável, com noites mais frias e chuvas regulares, está perfeito para o estágio inicial de germinação. “A emergência e o perfilamento das plantas estão muito bons, que anima bastante o produtor”, avalia. Ele acredita que até o final do mês de maio, todas as áreas de trigo já estejam semeadas.

Soster comenta que houve um aumento nos custos de produção e, apesar dos preços estarem bons, nesse momento, o produtor fez um investimento inicial satisfatório. “Historicamente, a média de produção no trigo não é boa, mas com o bom desenvolvimento inicial, o produtor pode se animar e fazer uma adubação foliar ou investir um pouco mais nos tratos culturais”, comenta. Ele lembra também que muitas dessas áreas tinham adubação residual da safra de verão e, por isso, o produtor está esperando um pouco mais para decidir os investimentos que fará.

Com relação ao clima, a expectativa é positiva e ainda não existe uma previsão concreta de uma grande massa de ar frio para os próximos dias. “A área de trigo permaneceu a mesma do ano passado; tínhamos uma expectativa de queda na área plantada, mas como houve uma mudança reduzindo o prazo de zoneamento para o milho safrinha, muitos produtores optaram por plantar o trigo para garantir o seguro agrícola”, comenta.

Milho pode ter melhor safrinha dos últimos anos

O produtor rural que conseguiu plantar o milho de segunda safra, dentro da janela de zoneamento agrícola, pode ter uma das melhores colheitas dos últimos anos. Pelo menos essa é a expectativa do agrônomo, Fernando Soster. Ele destaca que o clima tem contribuído e, até o momento, a grande maioria das lavouras se desenvolve com perfeição. Para as lavouras plantadas antes do final de fevereiro, se ocorrer mais uma ou duas chuvas, a produtividade está garantida e algumas delas já devem ser colhidas nos próximos 20 dias. No entanto, ainda existe uma preocupação com o frio. Caso ocorra uma geada antes de meados de junho, os danos às lavouras podem ser significativos. “O ideal é que ainda não houve geada, mas quanto mais para frente acontecer, menor será o dano às lavouras de milho safrinha e a nossa expectativa é que o produtor consiga uma boa colheita e, com isso, possa recuperar um pouco dos prejuízos que ocorreram durante a safra de verão, que foi impactada pela seca”, frisa o agrônomo Fernando Soster