Homicídios caem na região, mas aumenta violência doméstica

Tenente Vinícius de Castro comenta números de ocorrências de 2021

Tenente Vinícius de Castro comenta números de ocorrências de 2021

A 6ª CIPM (Companhia Independente da Polícia Militar de Ivaiporã) divulgou as ocorrências relacionadas ao ano de 2021, em comparação com o mesmo período de 2020. De modo geral, a quantidade de ocorrências atendidas pela PM nos 14 municípios jurisdicionados à Companhia Independente se manteve praticamente estável. Foram 7.058 boletins de ocorrências registrados em 2021 contra 6.546 em 2020, um acréscimo de 7,8%.

O ponto positivo é que o número de homicídios na região caiu de forma vertiginosa. Em 2020 foram 12 ocorrências de assassinatos e, no ano passado, foram apenas 3, uma queda na ordem de 75%. Também houve queda no número de roubos em geral e de furto de veículos, respectivamente diminuição de 23,1% e 28%. O número de armas apreendidas caiu 33,7% e o roubo de veículos se manteve estável.

O lado negativo foi o aumento nos registros de violência doméstica e lesão corporal, que saíram de 516 casos em 2020 para 610 em 2021, um acréscimo de 18,2%. Também houve um pequeno aumento nos casos de furto, 4,7%, e de ocorrências relacionadas à apreensão de drogas, seja para o tráfico como para o consumo pessoal, respectivamente 12,2% e 21,2%.

Imagem da notícia.

O comandante interino da 6ª CIPM, tenente Vinícius de Castro, fez uma avaliação dos números de ocorrências e disse que os últimos dois anos foram marcados pela pandemia da Covid-19 e, por isso, houve uma diminuição na circulação das pessoas e isso se reflete na menor apreensão de armas de fogo e número menor de homicídios. “Já na situação oposta, como as pessoas ficaram mais tempo em casa, houve aumento da violência doméstica”, pontua.

Pandemia

Vinícius de Castro lembra que a Polícia Militar foi um dos poucos órgãos que não parou suas atividades durante a pandemia. “A rotina não mudou, o que fizemos foi reduzir um pouco as escalas extras, para que o policial ficasse um pouco menos exposto à contaminação, para que não ficasse doente e ficássemos sem policiamento. Felizmente, na nossa área, conseguimos fazer dessa forma e o policiamento não foi interrompido, nem mesmo nos piores momento da pandemia da Covid-19”, frisa o comandante interino.

Aumenta apreensão de cocaína em Ivaiporã

Outro dado que chama a atenção nas estatísticas divulgadas pela 6ª CIPM é que houve um aumento na quantidade de cocaína apreendida na região, especialmente na cidade de Ivaiporã. Nos 14 municípios da CIPM, em 2020, foram apreendidos 2,5 quilos de cocaína; no ano de 2021, foram 3,9 quilos do entorpecente. Aumento de 59,5%. Já no município de Ivaiporã, o volume apreendido passou de 767 gramas, no ano anterior, para 2,728 quilos em 2021, acréscimo de 255% no volume apreendido.

Também houve, na região, uma redução no volume apreendido de maconha e crack, mas foram encontrados 50 pontos de LSD e 142 comprimidos de ecstasy, drogas que não eram encontradas na região da 6ª CIPM.

Tenente Vinícius de Castro relata que a situação de tráfico, independentemente da pandemia, não parou. “No entanto, as abordagens continuaram nos pontos conhecidos de tráfico e conseguimos ampliar as prisões e o número de indivíduos abordados”, cita.

Com relação ao aumento nos casos de apreensão de cocaína, ele destaca que, nos últimos anos, houve uma melhoria no poder aquisitivo das pessoas e, com isso, a cocaína se popularizou, apesar de ainda ser uma droga considerada cara. “Os traficantes têm trazido essa droga para atender a essa demanda e, antes, a cocaína era restrita a determinados ambientes, hoje vemos que ela está na rua”, frisa.