Adaptação tem sido excelente no colégio cívico-militar

Integrantes da direção e da equipe pedagógica destacam excelente parceria

Integrantes da direção e da equipe pedagógica destacam excelente parceria

Desde o início de 2021, o Colégio Estadual Olavo Bilac, localizado no Conjunto Juscelino Kubitschek, em Faxinal, foi transformado em Colégio Cívico-Militar. Além da diretora geral, o colégio passou a contar com o trabalho do diretor militar e de dois monitores, que são policiais militares da reserva e atuam na parte administrativa e na disciplina da escola.

A diretora geral Rozeli Pinheiro Camargo Santana comenta que a comunidade aceitou bem a transformação em Colégio Cívico-Militar e isso fez com que a aumentasse o número de alunos. Até o ano passado, eram cerca de 200 alunos e, agora, são 360 alunos matriculados e com os projetos e programas passam de 400 alunos no Ensino Fundamental das Séries Finais e Ensino Médio.

Na direção geral desde o ano de 2015, ela salienta que, na parte pedagógica, a escola continua da mesma forma, o que mudou com a presença da direção militar foi especificamente a questão da disciplina e da segurança da escola.

O sargento da reserva, Leonício Aparecido Oliveira, é o diretor militar e destaca que os militares cuidam da parte de disciplina, onde controlam as entradas e durante as aulas ficam atentos aos corredores para evitar que os alunos circulem sem necessidade. “Estamos zelando pela honra e pela disciplina, procurando a formação de verdadeiros cidadãos e já temos relatos de pais que dizem que até mesmo em casa os filhos já tiveram uma mudança de comportamento”, frisa. Os militares que atuam no colégio cívico-militar passaram por uma capacitação e por um processo de seleção. “Nós viemos para somar, mas o principal é que aqui, o aluno tem que se adaptar à escola e ao regulamento e, por isso, temos alunos de toda a cidade que estão confiando no trabalho do colégio e sabemos que onde tem disciplina, existe uma aprendizagem melhor”, frisa.

Sargento Oliveira comenta que sempre foi policial do patrulhamento de rua e que a experiência de trabalhar dentro da escola está sendo bastante diferente. “Estamos nos adaptando e aprendendo com os pedagogos, entendendo também o que pode e o que não pode e está surtindo bons resultados”, comenta.

A diretora Rozeli Santana ressalta que houve um incremento na grade curricular, já que os alunos contam agora com seis aulas diárias, têm aulas de cidadania e civismo e participam da formatura diária, onde são executados os hinos pátrios. Outra mudança é que qualquer ato de indisciplina, que não é resolvido dentro da própria escola, os pais ou responsáveis são comunicados imediatamente “O aluno sabe que se fizer algo que vai contra o que está no regulamento, a punição acontece na hora e ele sofre uma ação educativa disciplinar pedagógica”, comenta a diretora.

Para a diretora geral, a mudança para colégio cívico-militar também valorizou muito a instituição, que teve um aumento de carga horária e os alunos estão aprendendo mais e se preparando melhor.

A pedagoga Tayla do Carmo Alves Morais Batista ressalta que, muitas vezes, a escola pública é desvalorizada e, principalmente, quando ela está localizada em um bairro como é o Colégio Olavo Bilac. “Os pais, às vezes, têm uma visão que a escola pública é uma bagunça, mas não é sempre desse jeito. Antes, o diretor e o pedagogo, além de cuidarem da parte pedagógica, também tinham que resolver as questões de indisciplina e, hoje, com a presença dos militares, a questão do fluxo de alunos dentro da escola está controlada e não temos mais alunos pulando o muro da escola; isso valoriza o nosso trabalho e a parte pedagógica fluiu melhor”, cita.

Formatura é uma das ações são realizadas no Colégio Cívico-militar

Formatura é uma das ações são realizadas no Colégio Cívico-militar