Ex-prefeito conta sua história na colonização de Ivaiporã

O advogado Flávio Pereira Teixeira, 81 anos, concedeu entrevista ao Paraná Centro e relembra a chegada de sua família a Ivaiporã, em 1948, na época em que o pai era funcionário da Companhia Ubá, empresa que colonizou o município.

Flavinho, como é conhecido, nasceu em Cambará (PR), em 23 de dezembro de 1939; foi casado com a professora Arlete Stier Teixeira (falecida), com quem teve 3 filhos: Iara, Flávia e Bruno; e os genros Carlos Humberto Fernandes Silva e José Bastos Leite; o pioneiro tem 3 netos: Carlos, Júlia e Laura.

Trabalhou como comerciante, com escritório de contabilidade e, após o término do seu mandato de prefeito 1983/1988, passou a dedicar-se exclusivamente à advocacia.

Flávio Teixeira foi prefeito de Ivaiporã no período de 1983 a 1988

Flávio Teixeira foi prefeito de Ivaiporã no período de 1983 a 1988

Paraná Centro - O senhor, como pioneiro, o que acha do desenvolvimento do município?

Tivemos um período um pouco lento no que se refere ao crescimento do município de Ivaiporã até vir o asfalto, porque para se deslocar a Apucarana, Pitanga, Guarapuava, era só por estrada de terra. A partir do mandato do prefeito Akira Yamasita (1965-1969) foi que o asfalto começou a chegar ao município.

Paraná Centro - Como foi o trabalho da Companhia Ubá?

Flávio Teixeira - A Companhia Ubá trabalhou bem na colonização do município, inclusive, meu pai era funcionário e foi por isso que viemos para cá. No início da colonização, as terras onde estão, atualmente, os municípios de Jardim Alegre, Lunardelli e São João do Ivaí pertenciam a Ivaiporã, que ia até a Foz do Rio Corumbataí.

Paraná Centro - Como foi o trabalho do primeiro prefeito?

Flávio Teixeira - O primeiro prefeito Maneco Rocha (Manoel Teodoro da Rocha) fez um bom trabalho, principalmente na construção de escolas; o Akira deu prosseguimento com o asfalto e os primeiros hospitais, que fizeram Ivaiporã ganhar formato de cidade e ir se desenvolvendo. Em minha gestão fiz asfalto em mais de 13 quilômetros de rede de esgoto.

Nós chegamos em 1946, meu pai era funcionário da Companhia Ubá e veio cuidar da balsa do Rio Ivaí...”
Flávio Teixeira

Paraná Centro - Em que data o seu pai chegou a Ivaiporã?

Flávio Teixeira - Nós chegamos em 1946, meu pai era funcionário da Companhia Ubá e veio cuidar da balsa do Rio Ivaí por 2 anos; depois transferiram ele para Ivaiporã, que na época ainda era Sapecado. A nossa família ficou morando na região da beira do Ivaí; passados uns 2, 3 anos, nós também viemos para cá, com minha mãe e mais seis irmãos. Meu pai trabalhou na Companhia Ubá por mais de 40 anos até se aposentar.

Paraná Centro - Como o senhor viu Ivaiporã naquela época, quando chegaram aqui?

Flávio Teixeira - Naquele tempo eu estudava na escola primária e minha principal lembrança da época eram nossas brincadeiras de crianças na rua, jogando futebol e bets, era pura diversão.

Paraná Centro - Como foi a experiência de ter sido prefeito de Ivaiporã?

Flávio Teixeira - Me orgulho muito de ter sido prefeito da minha cidade, pois, apesar de ter nascido em Cambará, eu vim para Ivaiporã com 7 anos de idade, e considero essa minha terra natal e foi um orgulho muito grande representar o povo da minha cidade nos seis anos do meu mandato, os quais me dediquei de corpo e alma para realizar um bom trabalho.

Paraná Centro - Quais eram suas prioridades quando entrou na prefeitura?

Flávio Teixeira - Meu maior empenho quando entrei na prefeitura era melhorar a saúde, por isso, construi postos de saúde, investi também em setores como a educação, trazendo as Faculdades Integradas do Vale do Ivaí (Univale), fundei o jornal Notícias do Vale, entre outras conquistas, como o Parque de Exposições, que contribuíram para o desenvolvimento do município. Na minha gestão, acredito que a população de Ivaiporã era em torno de 45 mil pessoas, porque dois distritos, como Arapuã e Ariranha do Ivaí, que pertenciam para Ivaiporã, posteriormente transformaram-se em municípios.

Paraná Centro - Além da eleição e do mandato de seis anos, o senhor concorreu em outras eleições?

Flávio Teixeira - Fiquei na prefeitura por seis anos até 1988; na época em que me elegi (1982) eram dois partidos (Arena e MDB), e cada um podia lançar três candidatos: no nosso partido MDB os candidatos eram eu, Alcebíades Alves e o professor Paschoal; do lado da Arena tinha Renato Croceta, Vico Cartorário e Alfredo Rocha. O meu partido foi o mais votado e eu fui eleito com maior número de votos. Depois apoiei o Melvis Muchiutti, mas ele perdeu a eleição para o Antônio da Paz. Voltei a concorrer na eleição municipal em 1996, mas perdi para o padre Luizinho. Antes de ser prefeito, eu tentei ser deputado estadual e fiquei na 9ª suplência.

Paraná Centro - Qual foi a maior conquista do seu mandato como prefeito?

Flávio Teixeira - Tive inúmeras conquistas, mas posso dizer que quando a gente realiza um bom trabalho o povo fica feliz. Consegui recursos para construção de mais de 100 salas de aula, escolas. Meu trabalho como disse, anteriormente, foi voltado para a saúde e para o bem estar da população; construi 7 postos de saúde e 7 creches; fundamos o Recanto dos Velhinhos – Lar Santo Antônio de Ivaiporã – que está muito bem representado pelo Mauro Zurlo, filho do Ederaldo Zurlo, que colaborou na construção da Apae; asfaltamos do Ouro Verde ao Arapuã na gestão do governador Álvaro Dias, que era meu companheiro político. Tudo que conseguimos é um trabalho coletivo.

Paraná Centro - O que o senhor espera de Ivaiporã?

Flávio Teixeira - Espero que a cidade siga em frente sendo bem administrada e crescendo, porque dessa forma tudo se valoriza.