Tubarão

Tubarão

Interessante a situação do Londrina. Fez ótimo campeonato estadual, sendo campeão na decisão diante do Cascavel, e patina no campeonato brasileiro, dentro do Z4, prestes a ser rebaixado para a série C. A verdade, sem qualquer menosprezo ao título de campeão paranaense, conquistado pelo Tubarão, é que os chamados grandes do futebol do Paraná, Athlético, e Coritiba, estavam mais preocupados com o calendário nacional. Já o Londrina não se preparou para o campeonato brasileiro, e está pagando o preço por isso. Tem chances de escapar do rebaixamento, mas não é tarefa fácil.

Coxa Branca

O Coritiba faz grande campanha na série B do Brasileirão, e com um pé e meio na série A de 2022. Não tem como não confirmar o acesso. Em alguns momentos, altos e baixos, mas isso é normal no futebol. É muito difícil manter a pegada e o ritmo durante toda a temporada. Mas o Coxa Branca do Alto da Glória está no caminho certo e irá confirmar sua volta à divisão de elite nacional.

E o Athletico

Finalista da Copa do Brasil, na decisão contra o Atlético (MG), o Athletico mostra mais uma vez a sua força. O fato é que o Athletico Paranaense é um dos grandes clubes do Brasil. Não há como contestar seu poderio como clube e como time de futebol. O Athletico projeta e programa bem suas prioridades. Vejam que é finalista da milionária Copa do Brasil e está em 15o. na série A do Brasileirão, a apenas 4 pontos do primeiro time da zona de rebaixamento. Ótimo de um lado, mas com sério risco por outro.

Bagunça

Alguns dias atrás, em pleno jogo na Curuzu, em Belém do Pará, torcedores do Paysandu, indignados com seu time, que perdia em casa para o Ituano, invadiram o campo de jogo. Alguns jogadores deixaram o clube, por medo de serem agredidos ou até mesmo mortos por “torcedores”, devido às ameaças. Agora, no domingo, foi a vez de torcedores do Grêmio, revoltados com a derrota para o Palmeiras, em casa, invadirem o campo, quebrando equipamentos e agredindo pessoas. O problema é que os clubes pagam por isso e os ditos torcedores agressores continuam a frequentar os estádios de futebol.