Grupo Direita Ivaiporã promoverá panfletagem e carreata contra STF

Dayane Miyasaki fala sobre as duas pautas que serão abordadas pelo Direita Ivaiporã

Dayane Miyasaki fala sobre as duas pautas que serão abordadas pelo Direita Ivaiporã

O grupo Direita Ivaiporã promove na sexta-feira, 3 de setembro, das 09h00 às 18h00, na Praça Manoel Teodoro da Rocha, em Ivaiporã, uma panfletagem convidando a população de Ivaiporã e região para participar da carreata que acontecerá na terça-feira, 7 de setembro, às 15h00, com saída em frente a unidade Sesc/Senac de Ivaiporã, na qual os manifestantes pedem o Impeachment dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e o voto eletrônico impresso auditável e com contagem pública para que haja transparência no pleito eleitoral.

A líder do Grupo Direita Ivaiporã, Dayane Miyasaki, convida a população de Ivaiporã, São João do Ivaí, Lidianópolis, Lunardelli, Jardim Alegre, Arapuã, Ariranha do Ivaí, Manoel Ribas e Borrazópolis para unir forças e dizer um basta contra as medidas tomadas pelo STF, lutar pelo direito de livre manifestação e liberdade, respeitando a Constituição Federal.

Além disso, o grupo organizou uma caravana do Vale do Ivaí, que sairá de Guarapuava e Ponta Grossa, com aproximadamente 200 pessoas, no dia 5 de setembro, onde os manifestantes participarão do Acampa Brasília, no dia 7 de setembro.

A líder do Direita Ivaiporã espera que com a manifestação seja seguida a constituição e que os pedidos de impeachment contra os ministros que extrapolaram suas atribuições dentro da constituição federal. “O STF tem que guardar a constituição e à medida que eles abrem inquéritos, julgam e condenam um cidadão não sendo da competência deles, está fora da lei e nós queremos que a lei e a Constituição Federal sejam restauradas no Brasil”, explicou Dayane Miyasaki.

Para ela, o movimento tem o objetivo de garantir a democracia, uma vez que a livre manifestação ordeira e pacífica é garantida dentro da constituição. “Aconselhamos que as pessoas que forem participar da carreata tomem as medidas sanitárias de segurança, lutando pela democracia, sem deixar de cuidar da saúde”, completou.