Cirurgia de catarata e tipos de lente intraoculares

Imagem da notícia.

A catarata é a opacificação da lente natural do olho. Todos temos uma lente natural dentro do olho, chamada cristalino. Essa lente leva esse nome justamente por ser cristalina, transparente. Por diversos motivos, sendo o principal deles a idade, essa lente perde a transparência, tornando-se opaca. E, dessa forma, muda também de nome: a lente opaca é chamada de catarata.

Na cirurgia de catarata, essa lente natural é substituída por uma artificial. A cirurgia não é uma raspagem, muito menos é feita exclusivamente por laser. Sempre há a substituição da lente natural opaca por uma artificial transparente. Essa lente implantada fica dentro do globo ocular. Salvo em algum acidente, ela fica lá para sempre. Não precisa ser substituída, nem é necessário realizar limpezas regulares.

Portanto, a escolha dessa lente é muito importante, pois ela definirá a qualidade da visão após a cirurgia, para o resto da vida do paciente.

É muito comum a simplificação em “lentes importadas” ou “lentes nacionais”. Na verdade, pouco importa em qual país ela foi fabricada. Existem muitas lentes importadas de baixa qualidade. O que mais conta são quais os recursos presentes nessa lente e qual a tecnologia utilizada na sua fabricação. Por razões óbvias, a maioria das lentes (chamadas de Premium) é importada, fabricada em países de primeiro mundo.

Basicamente, dividindo em grupos, podemos dizer que uma lente pode ser rígida (dura - exige uma abertura maior na cirurgia e pontos para fechar o corte) ou dobráveis (que são colocadas por micro incisões). Elas podem ser esféricas (corrigem miopia ou hipermetropia) ou asféricas (conseguem corrigir também aberrações ópticas oculares). Podem ser monofocais (corrigir o grau de longe, necessitando óculos apenas para leitura após a cirurgia), ou multifocais (permitindo, inclusive, a leitura de perto sem óculos após a cirurgia). E, se o paciente também tiver astigmatismo, essas lentes precisam ser tóricas, para reduzir ainda mais o grau residual.

Fácil perceber que não existe a melhor ou a pior lente. É claro que essas lentes com mais tecnologia, que buscam além da transparência, a independência dos óculos, são melhores e mais caras, mas é muito importante frisar que para cada caso, para cada tipo de olho e para cada estilo de vida, existe uma lente mais indicada.

Um exame oftalmológico bem feito e uma boa conversa com seu oftalmologista vai ajudar nessa escolha.