Olimpíadas

Olimpíadas

Os jogos Olímpicos terminaram, infelizmente sem público, mas com grandes espetáculos. Não há nada, a nível de competição esportiva, que se equipare às Olimpíadas. Os Jogos Olímpicos no Japão foi um show de luxo, especialmente por tudo o que foi feito nas modalidades estreantes, como o surfe e o skate. Esporte não é só força. Esporte também é jeito, charme, alegria, plástica e respeito ao adversário, como vimos nas provas de skate, onde um torcia pelo outro, mesmo sendo adversários. Um pecado não ter o público. Mas o mundo viu, aplaudiu e reconheceu a grandeza e a importância do evento, assim como as lições deixadas por atletas.

Futebol bicampeão

O Brasil demorou tanto para ganhar sua primeira medalha de ouro no futebol, que foi logo ganhando duas vezes seguidas. Campeão no Brasil e agora campeão no Japão. Este título foi mais fácil do que o esperado. Não é porque a nossa seleção jogou uma enormidade. Na verdade, foi fácil porque os adversários não competiram com qualidade. Nossa seleção era mais “cascuda” e com uma suplência à altura. O Brasil foi a melhor seleção e fez por merecer o ouro.

Decepção

O que não combina com o Brasil, é ver nosso país fora do pódio, no voleibol masculino de quadra, assim como aconteceu com o vôlei de praia feminino e masculino. Era para termos mais medalhas, pois o voleibol de quadra e de praia são modalidades sempre, na certeza, de que virão medalhas. O Brasil ganhou algumas medalhas que não eram esperadas, mas perdeu medalhas que teriam que ser conquistadas. Alegrias tivemos, mas decepções também. Lições para que algumas situações sejam reavaliadas e não venham acontecer de novo.

Máscara de quem se acha craque

Muita soberba. Esta é a realidade. Basta ver a atitude baixa do tal Gabigol, que disse, após ser expulso de forma justa pelo árbitro, que era por isso que o futebol brasileiro é uma várzea. Esquece ele que, quando jogou na Itália, foi escolhido o pior jogador estrangeiro jogando naquele país. O tal Gabigol, cheio de máscara, tatuagens por todo o corpo, que pinta o cabelo de todas as cores, entre outras coisas totalmente desnecessárias, que é um mascarado, se acha craque e não sabe perder.

Salto alto

A atitude do atacante Gabigol mostra como os jogadores do Flamengo estão cheios de si e como entraram de salto alto para enfrentar o Internacional, no Maracanã. Futebol é jogado e ninguém ganha na véspera. O Flamengo, com o técnico Renato Gaúcho, vinha goleando todo mundo e entrou em campo como super favorito, diante do irregular Internacional. Um se achou demais e perdeu, foi goleado. O outro entrou em campo com humildade para competir e ganhou de goleada.

Os paranaenses

O Coritiba vai subir para a série A. O Athetico, hoje, é clube grande, que joga as competições sempre com muita competência. O Londrina tem grande possibilidade de cair para a série C. O Paraná também deve ser rebaixado para a série D. E o FC Cascavel está mostrando futebol para subir para a série C. Entre altos e baixos, o Athletico está bem na frente dos demais.