Pitanga terá fazenda experimental para desenvolver ações voltadas à agricultura familiar

Reunião define doação de terreno ao município

Reunião define doação de terreno ao município

O prefeito de Pitanga, Maicol Barbosa, participou de uma audiência com o secretário de estado da Administração e Previdência, Marcel Micheletto, na semana passada, quando foi assinado o termo de doação do Estado para o município de um terreno localizado às margens da rodovia PR-466, na localidade Borboletinha, com uma área de 48 mil m², para a implantação do Centro de Difusão de Tecnologia para a Agricultura Familiar.

Segundo a prefeitura, o espaço será usado para o desenvolvimento de ações voltadas à agricultura, ao desenvolvimento sustentável e educação ambiental. O prefeito Maicol Barbosa explica que esse centro funcionará como uma fazenda experimental e deve ser vinculado ou gerido por uma instituição de ensino do município. No local, serão desenvolvidos projetos voltados à agricultura familiar, como a produção de pequenos animais e culturas como erva-mate, mel, uva, maracujá, além de ações como proteção de nascentes, recuperação de áreas degradadas, piscicultura e estação climatológica. “Nossa ideia é que esse centro possa ser um local de introdução ou desenvolvimento de culturas para que depois possam ser difundidas em todo o município”, pontua.

Maicol Barbosa agradeceu ao apoio do governador Ratinho Junior, deputado Alexandre Curi, Secretário de Administração e Previdência Marcel Henrique Micheletto e a todas as pessoas que ajudaram na viabilização para a doação desse terreno.

Pavimentação

O prefeito Maicol Barbosa também participou de audiência com o chefe da Casa Civil, Guto Silva, que representou o secretário de estado da Agricultura, Norberto Ortigara. Na oportunidade, ele assinou o convênio entre a Seab e o município para a pavimentação da estrada entre Pitanga Abaixo e São João da Colina, num trecho de aproximadamente 4 quilômetros, cujo investimento ficará na ordem de R$ 1,2 milhão.

Segundo Maicol Barbosa, a escolha desse trecho se deve ao fato que essa estrada tem um grande fluxo de veículos e precisa estar em boas condições de trafegabilidade. “Nossa meta é pavimentar os oito quilômetros dessa estrada, mas vamos, nesse primeiro momento, pavimentar a metade e começar a resolver um problema de muitos anos, já que é um trecho muito sinuoso”, ressalta.