Danos à agricultura podem se agravar com aproximação de nova frente fria

Geada pode comprometer ainda mais lavouras de inverno na região

Geada pode comprometer ainda mais lavouras de inverno na região

A chegada de uma nova massa de ar polar, prevista para ocorrer a partir da madrugada dessa quarta-feira, 28 de julho, pode intensificar os prejuízos às lavouras de inverno no Paraná. Segundo o Simepar (Sistema de Meteorologia do Paraná), a região central do estado seria atingida por uma geada moderada na manhã da quarta-feira, dia 28 de julho. Já para a manhã da quinta-feira, dia 29 de julho, a geada seria mais intensa e considerada forte, atingindo todo o centro do Paraná, chegando, inclusive, com forte intensidade ao município de Londrina.

A temperatura mínima prevista para Ivaiporã na quinta-feira, dia 29 de julho, é de -1oC. Já para Pitanga, a previsão é que a temperatura chegue a 2oC na manhã da quinta-feira, dia 29 de julho, e a 0oC na sexta-feira, dia 30 de julho.

A expectativa da meteorologia é que essa onda de frio seja a mais forte do ano, que já teve duas fortes geadas na região de Ivaiporã e que pode ser uma das maiores dos últimos anos na região central.

O gerente da unidade da Coamo de Ivaiporã, Domingos Carlos Fontana, avalia que, se confirmarem as previsões da meteorologia, haverá prejuízos consideráveis às lavouras de trigo. Ele destaca que, no começo da semana passada, foram registradas fortes geadas, mas que não chegaram a afetar de forma significativa as lavouras de trigo. Ele calcula que cerca de 15% das áreas, naquele momento, estavam susceptíveis a danos causados pela geada a quebra de produção, calculado pelas equipes técnicas entre 10% a 15%. O trigo suporta bem o tempo frio e as geadas, desde que não esteja no período de frutificação, quando a planta começa a soltar a haste onde será formada a espiga. “Temos, nesse momento, uma massa de ar frio que irá acontecer após as chuvas, essa condição deixa as plantas mais cheias de água; o problema não é o gelo que se forma na folha, mas o que se forma no interior da planta. Quando esse gelo derrete, ele estoura as células e, a partir disso, não existe o fluxo de seiva para a formação da espiga e a planta morre. Essa chuva com a massa de ar pode causar um dano mais severo”, explica.

Se na geada registrada há cerca de 10 dias, havia 15% das lavouras susceptíveis a danos com a geada, o percentual agora é de cerca de 60% das lavouras nessas condições.

Domingos destaca que, se houver geada, possivelmente haverá dano. E se concretizem as perdas, a tendência é ocorrer um aumento de preço no trigo, que já vem sofrendo pressão do mercado internacional, já que os estoques mundiais estão baixos e lavouras em outras regiões produtoras do planeta não estão em boas condições.

O gerente da unidade da Coamo de Pitanga, Valdemir de Paula Barbosa, o Miro, ressalta que, na região do Bom Retiro, próximo à divisa com Manoel Ribas, cerca de 40% das lavouras de trigo foram afetadas com as geadas da semana anterior. Já na região central do município e de Arroio Grande, próximo à divisa com Santa Maria do Oeste, apenas 10% das lavouras foram afetadas. Nesses locais, a quebra de produção deve ficar em torno de 10% a 15%. No entanto, ele alerta que se houver algum tipo de intempérie mais grave, pode haver um prejuízo ainda maior. “Está sendo um ano atípico, pois há muito tempo não se percebia um frio como esse, justamente em um ano onde foi plantada uma área maior da segunda safra. Estou em Pitanga há 7 anos e essa é a onda de frio mais forte que vi nesse período”, afirma Valdemir Barbosa.

Danos ao milho

Domingos comenta que o milho safrinha, bastante afetado com as geadas dos últimos anos, pode ter ainda mais danos com a frente fria que está atuando na região. A unidade da Coamo de Ivaiporã calcula uma perda de produtividade na ordem de 45%, já que os grãos não tiveram um desenvolvimento completo antes da primeira geada registrada no mês de julho. No entanto, um outro problema está sendo registrado com as primeiras amostras de colheitas feitas por produtores. Alguns híbridos mais susceptíveis estão apresentando germinação na espiga, que afeta a qualidade do grão. “Na segunda-feira, dia 26 de julho, recebemos algumas amostras de milho, que aparentemente estavam boas, mas após a secagem, começou a mostrar aspectos de pré-germinação, comprometendo o grão”, ressalta.

Já na região de Pitanga, cerca de 90% dos produtores que tinham projetos financiados para o plantio do milho safrinha, já acionaram o seguro agrícola. “A produtividade foi muito comprometida e haverá uma perda grande no milho, com quebra de pelo menos 60% na produtividade”, avalia.

Previsão de geada severa na quinta-feira, dia 29 de julho

Previsão de geada severa na quinta-feira, dia 29 de julho