Grupo PROARMAS de Pitanga vai a manifestação em Brasília

Integrantes do Grupo Pro Armas

Integrantes do Grupo Pro Armas

Pitanguenses, que fazem parte do PROARMAS Brasil, coordenado por Marcos Pollon, estiveram em Brasília no início do mês de julho, participando de uma mobilização em favor do direito a posse de armas. Uma das integrantes do grupo é Juliana Kovalin, que destaca que existe um risco dos caçadores, atiradores e colecionadores esportivos e da população em geral perderem o direito à posse de arma de fogo, que ela considera como perder o direito à legítima defesa. “Há rumores que o cidadão brasileiro, que tem o direito assegurado de ter sob sua posse uma arma de fogo para a defesa da sua família e de seus bens, possa perder esse direito ou possa dificultar ainda mais o acesso aos instrumentos que garantem essa defesa, que são as armas”, frisa.

Questionada se o aumento do número de armas entre a população não poderia acarretar em um aumento da violência, Juliana Kovalin lembra o recente caso do bandido Lázaro, que mobilizou mais de 200 policiais em seu encalço e chamou a atenção da mídia nacional. “Há poucos dias, vimos um rapaz, que não precisou ter uma arma comprada, registrada em seu nome, para cometer toda aquela violência; a única residência que ele não conseguiu invadir, matar e aterrorizar a família, foi onde a pessoa tinha uma arma de fogo e a usou adequadamente para sua defesa e de sua família”, comenta.

Ela lembra que toda a pessoa que procura por uma arma registrada precisa passar por testes psicológicos, de aptidão e manuseio de armas de fogo, e ainda apresentar à Polícia Federal e ao exército brasileiro, certidões de antecedentes criminais e seus dados pessoais para ter autorização para comprar uma arma. “Não é sobre armas é sobre liberdade”, salienta.

Participaram a caravana a Brasília: Juliana Kovalin, Everton Coterli, Pedro Ricordi, Juliana Navarro, Juarez Cleve, Luiz Montanher, Robson Miller, Rodrigo Kaliberda, Claudinei Mota e Jomar.