Orquidófilos falam de sua paixão

Graziela Rampazzo destaca cursos que fez para aprender a cultivar flores

Graziela Rampazzo destaca cursos que fez para aprender a cultivar flores

Orquidófilo é quem admira, coleciona ou cultiva orquídeas. Essas plantas ganham cada vez mais pessoas que admiram sua beleza, cores e formas e encaram os desafios de cultivar algo que é tão bonito e delicado. A dentista Graziela Rampazzo é uma adepta ao cultivo de orquídeas tanto que, na propriedade rural em que mora com o esposo, tem um orquidário onde cultiva cerca de 3 mil plantas, de pelo menos 180 espécimes diferentes.

Ela conta que começou a colecionar há cerca de cinco anos e que ganhou algumas do marido, que foi cultivando e cuidando, mas o espaço no apartamento era apertado. Depois que se mudaram para uma casa maior, ela começou a comprar mais plantas, mas elas acabaram ficando feias e então a dentista começou a estudar para melhorar suas plantas e o aspecto das flores. “Quando eu morava no prédio, via muitas plantas indo para o lixo e comecei a me interessar em saber como elas floresciam, pois são diferentes de outras plantas”, pontua.

Algumas orquídeas demoram até três ou quatro anos para florescer, sendo que algumas flores duram poucos dias e outras vários meses.

Nessa época, Graziella fez um curso pelo Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), ofertado pelo Sindicato Rural de Guarapuava. “O professor do curso, além de ensinar a cuidar das plantas, era uma pessoa muito animada e com muita vivência; ele não falava apenas de plantas, mas também das pessoas e isso me interessou bastante. Saí do curso com uma vontade muito grande de aumentar a quantidade de plantas”, relembra.

Ela também conheceu muitas mulheres em Guarapuava, que gostavam de orquídeas e montaram um grupo para promover cursos, trocar ideias e promover informações. “Cada espécie requer um tipo de cultivo diferente, o clima e o local onde é produzida também influenciam muito”, cita a dentista.

Mas o cultivo só ganhou a opção de uma segunda renda, quando a família da dentista se mudou para o sítio, já que a casa estava apertada e as plantas acumuladas. No sítio, ela construiu uma estrutura para cultivar as flores e, como não havia pessoas especializadas na construção desse tipo de estrutura em Pitanga, ela pediu ajuda a pessoas de fora. “Hoje, não tenho uma ideia precisa da quantidade, mas estimo algo em torno em 3 mil plantas”, pontua.

Para a orquidófila, o que mais chama a atenção e incentiva o cultivo é a beleza das flores. Atualmente, o cultivo de orquídeas para ela se transformou em um hobby. “A uma maneira de me distrair é cuidar das orquídeas”, salienta.

Grazi Rampazzo ressalta que já não existem tantas orquídeas raras, pois as técnicas de multiplicação de plantas fazem com que elas possam ser reproduzidas com facilidade. No entanto, existem algumas que são mais difíceis de cultivar. Como é o caso das variedades Cymbidium, que são mais difíceis de se adaptarem aos climas mais quentes. “Também o que iludiu muitas pessoas, foram as flores de cor azul, que, na verdade, eram flores brancas, mas que se usava um corante para tingir a primeira floração e depois quando a pessoa leva a flor para a casa, ela volta a ter a cor original”, revela a orquidófila.

Greciane Andreis conta com cerca de 65 plantas

Greciane Andreis conta com cerca de 65 plantas

A professora Greiciane Pompilio Andreis, do município de Ivaiporã, tem cerca de 65 vasos com orquídeas cultivadas na garagem de casa. Ela conta que o amor pelas flores teve a influência da mãe, que sempre gostou delas. “Na época que eu estudava em Londrina, sempre comprava um exemplar de orquídea por lá e, aos poucos, fui aumentando a coleção”, comenta. O espaço que as flores ocupavam na casa foi aumentando e ela já tem planos, junto com o esposo, de fazer na lateral da casa uma estrutura de sombrite para ampliar a coleção de flores.

Ela salienta que sempre que passa por uma floricultura ou supermercado e vê uma planta que chama a atenção, ela compra. “Meus amigos e familiares também sabem que eu gosto, então sempre ganho alguma”, frisa.

A professora comenta que as flores deixam a casa bonita e retribuem o carinho e afeto com elas, com as cores, perfume e a beleza. “Não consigo parar, pois sempre que vejo uma flor diferente, acabo comprando”, salienta.

Greciane também ressalta que os cuidados com as orquídeas dependem muito de observar o comportamento delas. “Por exemplo, eu tinha duas orquídeas da espécie Vanda, que estavam na garagem e não estavam indo muito bem; então as coloquei embaixo de um pergolado e agora estão floridas; elas vão indicando se precisam de água ou adubo”, destaca a professora.

Edson Almeida procura novos fornecedores para atender demanda

Edson Almeida procura novos fornecedores para atender demanda

O empresário Edson de Jesus Almeida, da Flora Ivaiporã, comenta que, nos últimos anos, cresceu muito a procura por esta espécie de flor. “As pessoas estão encantadas com as orquídeas, temos clientes que fazem coleção e buscam por mais plantas”, ressalta. A facilidade de acesso às orquídeas tem estimulado as pessoas a buscarem a flor para presentear ou mesmo fazer coleção. “Acredito que por serem mais exóticas, com uma variação grande de cores ou mesmo as mais simples, acabam chamando a atenção e, hoje, são as preferidas na hora de presentear”, disse.

Edson Almeida destaca que para atender à demanda dos clientes, atualmente, precisa ir atrás de fornecedores para ter acesso a orquídeas diferentes e possibilitar que o cliente tenha mais opções de escolha.