Brasil na final

Brasil na final

Sem conseguir encantar, o Brasil chegou sem maiores dificuldades à decisão da Copa América. Não poderia ser diferente. Brasil e Argentina entram nesta competição, sempre na condição de favoritos. Só um desastre tira um ou outro de uma decisão de Copa América, atualmente. Desastres acontecem, ainda mais neste momento de futebol sem qualidade, ou de pouca qualidade, e de muita competição. Eu escrevi a coluna antes do jogo Argentina e Colômbia, apostando, evidentemente, na classificação dos argentinos, para a final contra o Brasil. Não só apostando, mas torcendo por isso.

Brasileirão Série A

O Bragantino mostra força para brigar pelo título. É forte financeiramente, está organizado e tem um bom time. O Athletico paranaense, que sempre “relaxa” no campeonato estadual, tem uma estrutura invejável, mas, no meu ponto de vista, não tem condições de brigar por título. Mas vai estar entre os primeiros. O Palmeiras tem a camisa, mas um time inconstante, que não passa confiança a nível de título. O Flamengo é uma decepção, com um elenco cheio de estrelas, mas sem um futebol eficiente. Dois gigantes, São Paulo e Grêmio, são as maiores decepções da elite nacional deste ano.

Brasileirão Série B

Na segunda divisão nacional, a grande surpresa é o Náutico. Não que não seja um time de ponta para a série B, mas porque não se esperava tanto do time pernambucano, da forma como está ocorrendo. O Coritiba começou titubeando, mas é time de camisa, cresceu e vai brigar, não só pelo acesso, mas pelo título. O Goiás é outro time de camisa, que está sempre nesse vai e vem, e tem poderio para conseguir o acesso este ano. Os grandes, Vasco, Botafogo e Cruzeiro, terão dificuldades. No geral, a série B tem tudo para ter uma boa briga na parte de cima, até porque ainda tem muito campeonato pela frente.

Brasileirão Série C

A maior surpresa da terceira divisão nacional, sem dúvida alguma, é o Criciúma. Depois de um rebaixamento para a segunda divisão de Santa Catarina, pela primeira vez em sua rica história, o clube de tanta tradição, e de uma estrutura de fazer inveja, se reorganizou rapidamente, investindo no técnico Paulo Baier, que é ídolo da torcida tricolor carvoeira, como grande jogador que foi, trazendo um executivo de futebol que não aparece, mas que trabalhou muito bem nas contratações, e vai fazendo a melhor campanha na soma dos dois grupos, A e B. No entanto, nos dois grupos, a briga é muito parelha na parte de cima da classificação.

Brasileirão Série D

Sobre a quarta divisão nacional, vou me referir a paranaenses, catarinenses e gaúchos, que é o que mais nos importa. No grupo A7, não vejo chances para o Cianorte. No grupo A8, o favorito é mesmo o FC Cascavel, com Joinville e Caxias também na briga pelas vagas à segunda fase. Acho que esses três passarão adiante. E aí, uma boa briga pela quarta vaga, entre Esportivo (RS), Juventus e Marcílio Dias (SC). O Rio Branco de Paranaguá não tem chance alguma.