Governo libera recursos para óleo diesel a Faxinal

Estrada do Barreirinho será readequada com recursos do governo

Estrada do Barreirinho será readequada com recursos do governo

O município de Faxinal deve receber, nas próximas semanas, um recurso de R$ 40 mil, exclusivamente para compra de óleo diesel para ser aplicado na melhoria de estradas rurais. Na semana passada, o secretário municipal de Agricultura de Faxinal, Reginaldo Paveze, e técnicos do IDR-PR (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná), antiga Emater, vistoriaram o trecho que será beneficiado com o recurso. A estrada escolhida é da comunidade do Barreirinho. O trecho é de 4 quilômetros, em um local bastante acidentado, e que chega até as proximidades da propriedade de Antônio Português.

O projeto técnico está sendo finalizado e será encaminhado para a Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab) e a expectativa é que, dentro de 30 dias, o recurso seja liberado e o município possa executar a obra.

Reginaldo Paveze comenta que as regiões do Marumbi e do Vista Alegre, assim como da estrada do Barreirinho, têm terrenos bastante acidentados e que precisam de manutenção constante. “São áreas com grande produção rural e a estrada é necessária para o escoamento da safra e transporte do gado”, ressalta.

Além do cascalhamento, o convênio também prevê a construção de lombadas, colocação de tubos e caixas de contenção como forma de evitar que a chuva escorra pelo meio da estrada, danificando o leito, além da abertura nos trechos que a estrada for mais estreita. “Os recursos são escassos e toda a ajuda é sempre bem- vinda, principalmente porque o município sofreu com as chuvas no início do ano. Estamos trabalhando para adequar todas as estradas”, pontua o secretário. Ele destaca que o município conta com 430 quilômetros de estradas rurais, muitas delas bastante acidentadas e, apesar dos maquinários, o trabalho não é simples. “Os agricultores têm desviado por Grandes Rios para pegar o asfalto e essa adequação deve resolver bastante essa subida”, avalia Reginaldo Paveze.