Pitanga vai iniciar plantio de uvas rústicas do programa Revitis

Projeto de uvas deve gerar nova oportunidade de diversificação em Pitanga

Projeto de uvas deve gerar nova oportunidade de diversificação em Pitanga

A Secretaria de Agricultura de Pitanga realizou, na semana passada, um curso voltado à produção de uvas de mesa e à indústria, por meio da parceria entre a prefeitura, Sindicato Rural de Pitanga e o Sistema Faep/Senar. Os participantes foram os agricultores inscritos no projeto “Uvas Rústicas”, do programa Revitis (Revitalização da Viticultura Paranaense), criado pela Seab (Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento).

O objetivo do programa é estimular a produção de uvas e seus derivados em Pitanga, promovendo a diversificação e melhorando a rentabilidade, especialmente, para as propriedades da agricultura familiar.

O secretário municipal de Agricultura de Pitanga, José Roberto Ramos da Luz, ressalta que Pitanga se inscreveu para esse programa em 2018, quando houve uma reunião com cerca de 100 pessoas interessadas. Após esta reunião, foram realizadas visitas em cerca de 50 propriedades, mas por ser uma cultura nova, a Secretaria Municipal de Agricultura optou por iniciar o projeto em apenas cinco propriedades, que servirão como unidades de referência para o restante do programa. “Sempre procuramos fazer o que é certo e vamos começar com esses cinco produtores, para fazermos um trabalho legal e, conforme o projeto for evoluindo, poderemos incluir outros agricultores interessados. Acredito que poderemos chegar aos 50 produtores inicialmente inscritos”, frisa José Roberto da Luz.

O plantio das mudas ocorrerá no mês de agosto e a expectativa é que as primeiras uvas comecem a ser colhidas no inverno de 2023. Cada propriedade deve receber entre 600 e 800 mudas de uvas rústicas e o viveiro vencedor da licitação é do Rio Grande do Sul, que vai disponibilizar mudas certificadas e com qualidade. Além disso, um técnico do IDR (Instituto de Desenvolvimento Rural) do Paraná, antiga Emater, dará o apoio técnico.

Roberto da Luz comenta que o cultivo será direcionado à produção de vinho e já existem empresas e cooperativas interessadas em dar destinação a essa produção. O secretário de agricultura destaca que algumas regiões produtoras de uvas finas ou de mesa estão encontrando dificuldade para comercialização e a uva rústica já tem encontrado uma saída melhor. “Além de focarmos na questão da implantação e da produção, também vamos trabalhar na comercialização, para prestar um apoio maior aos agricultores, que são familiares e encontram um pouco mais de dificuldade nesse aspecto”, ressalta.