Agricultores iniciam plantio de trigo na região

Domingos Carlos Fontana

Domingos Carlos Fontana

A chuva que finalmente ocorreu no dia 12 de maio, colocando fim a uma estiagem prolongada que já durava quase 50 dias, animou os produtores para o início do plantio do trigo. Com uma previsão mais concreta sobre a chegada da chuva, cerca de 40% da área reservada para a cultura foi plantada antes do dia 12, com o chamado plantio no pó. O bom volume registrado fez com que a emergência dessas áreas estivesse garantida e também possibilitasse a semeadura no restante das propriedades que irão apostar nessa cultura de inverno.

O gerente da unidade da Coamo de Ivaiporã, Domingos Carlos Fontana, comenta que a expectativa é que, até o final dessa semana, praticamente todas as áreas sejam plantadas, já que existe uma previsão de chuva para o sábado, 22 de maio, e o domingo, 23. “A chuva, que deve ocorrer até o final do mês, vai favorecer o trigo que está sendo plantado agora, garantindo a emergência da planta”, salienta.

Apesar do longo período de estiagem, o produtor ainda conseguiu fazer o plantio dentro da época considerada preferencial. Apesar do zoneamento na região de Ivaiporã ir até o mês de junho, Domingos Fontana explica que o plantio nessa época do ano pode ser um pouco mais crítico com relação à geada, que pode acontecer no florescimento da lavoura; mas, nos últimos anos, a incidência desse fenômeno foi menor na região. Já o plantio mais perto do fim da época de zoneamento faz com que o produtor consiga fugir da geada. No entanto, ele vai acabar encontrando a chuva na colheita, que altera a qualidade do grão e, com isso, reduz a rentabilidade.

O gerente da Coamo destaca que, se as condições de clima forem favoráveis, o produtor de trigo pode ter uma boa remuneração. Atualmente, o mercado trabalha com os preços variando entre R$ 87 e R$ 90 a saca. “Não é possível indicar que essa será a tendência do mercado até a colheita, mas não temos indicativo interno que haverá baixas significativas nos preços; tivemos uma redução de área e, com o dólar no patamar atual, inviabiliza uma importação do produto; além disso, não existe excesso de oferta mundial do grão”, pontua o gerente da Coamo de Ivaiporã.

Mesmo um pequeno aumento de área no plantio dos Estados Unidos não deve mudar o cenário de oferta mundial de trigo. “Se o mercado persistir, o produtor tem boa chance de realizar lucro com essa cultura, que não foi tão rentável nos últimos anos”, destaca Domingos Fontana.