Cheiro Verde representa inovação no comércio de frutas e hortaliças

O jovem empresário Rodrigo Petranzini Bovo, 33 anos, está à frente da Frutaria Cheiro Verde de Ivaiporã, que tem se transformado em um negócio inovador. O empreendedor tem se especializado, não apenas na venda no varejo, mas também no atacado e no lançamento de novos produtos, como a produção de suco de laranja feito na hora, além da cessão de refresqueira para o uso em eventos e confraternizações. Em entrevista à coluna Empreendedor da Semana, Rodrigo Bovo fala sobre os projetos de inovação que tem realizado em Ivaiporã.

Rodrigo Bovo – proprietário da Cheiro Verde

Rodrigo Bovo – proprietário da Cheiro Verde

Paraná Centro - Como surgiu a ideia da Cheiro Verde?

Rodrigo Bovo - Eu comecei a ir para a Ceasa Londrina, aos 18 anos, quando trabalhava com meu pai, Valdir Bovo, dono do Supermercado Bovo. Na época, o volume era pequeno e buscávamos a mercadoria com uma caminhonete, uma vez por semana. Durante uma etapa do mercado, começamos a participar de uma rede e, então percebi que vários mercados tinham essa necessidade de melhorar a parte do hortifruti e, como ia uma vez para abastecer nosso mercado, aproveitei e me uni a eles para buscarmos juntos; passei a fazer todo o trabalho de buscar e distribuir e, no começo, era apenas para o atacado.

Paraná Centro - E quando você abriu a frutaria?

Rodrigo Bovo - Pouco tempo depois, surgiu a oportunidade de comprar a Frutaria Brasil, onde, hoje, está instalada a Sorveteria Fruttibom; inovamos, melhoramos e organizamos a instalação. Depois mudarmos para um lugar maior, onde era a Campagro; quando a empresa fechou, vimos a oportunidade de aumentar e melhorar o espaço e, com isso, o resultado veio, graças a Deus. Hoje, temos muita mercadoria dos produtores daqui, também os caminhões que passam regularmente com vários tipos de frutas e hortaliças. No mercado, nos virávamos com o que tinha por aqui e, uma vez por semana, buscávamos fora.

Paraná Centro - Você investiu também no atacado, que está instalado no Jardim Belo Horizonte. O que o levou a este investimento?

Rodrigo Bovo - Na verdade, a parte de atacado é uma grande parceria, onde conseguimos ter preços baixos, porque somos vistos no Ceasa com bons olhos, como um grande comprador e muitas mercadorias que, por exemplo, eu poderia comprar cinco caixas para mim, com os demais parceiros, eu compro 50 caixas e, com isso, o fornecedor nos compensa com produto de melhor qualidade e preço um pouco mais acessível, ou seja, o fornecedor dá preferência pela quantidade que compramos e pela forma que pagamos. Muitas vezes, chegam a vir dois caminhões de mercadoria do Ceasa; acredito que, de Londrina até Ivaiporã, somos um dos maiores compradores dentro da Ceasa de Londrina.

Paraná Centro - E quantos parceiros vocês atendem nesse trabalho?

Rodrigo Bovo - Nós temos na faixa de uns 20 parceiros, de Ivaiporã e região, que compramos juntos e temos uma margem de lucro. Compensa atuar no atacado e varejo.

Paraná Centro - Outra inovação importante é a questão do suco de laranja feito na hora. Como surgiu essa iniciativa?

Rodrigo Bovo - Sempre que vou a outras cidades, procuro conhecer empresas, especialmente no meu ramo, e ver as inovações. Um desses dias, fui conhecer uma frutaria em Apucarana e vi como trabalhavam; fiquei lá durante umas duas horas e, nessa oportunidade, eles tinham uma máquina disponível para venda, já que tinham duas lojas e uma foi fechada. Demonstrei interesse em investir nisso, pois tinha tudo para dar certo aqui. Nós chegamos a fazer suco sem a máquina, no espremedor, mas o trabalho era grande e o suco perdia a qualidade muito rápido. Com essa máquina, não deixa gosto de amargo no suco e a durabilidade chega a três dias, com o mesmo gosto; o suco de laranja, mesmo feito no espremedor de casa, pega um gosto de amargo depois de algumas horas.

Paraná Centro - Outra inovação é o fornecimento da refresqueira para eventos?

Rodrigo Bovo – Isso, foi olhando e pesquisando sobre o suco de laranja e vimos que tinha essa opção. Vi que poderia atender os eventos e emprestar a refresqueira para as pessoas se servirem. É muito mais prático do que a pessoa ficar virando o galão e, com a refresqueira, a pessoa pode se servir sozinha.

Paraná Centro - Como você vê o futuro dos seus empreendimentos?

Rodrigo Bovo - O ramo de alimentação saudável vai crescer muito. Há inovações que vemos nas frutarias de fora e que temos que implantar, como trabalhar com a mercadoria já cortada e porcionada, como vemos em algumas grandes frutarias; tem a salada no copo, com a verdura misturada com algum tipo de proteína, que é uma refeição para quem está em dieta e, com a vida corrida que temos atualmente, as pessoas querem gastar menos tempo na cozinha. Acho que o futuro é partir para o lado dos processados, o que acredito que vai dar um bom resultado.

Paraná Centro - Que dificuldades a pandemia trouxe para o seu planejamento estratégico?

Rodrigo Bovo - Deixamos de atender vários clientes, como Sesc/Senac, escolas municipais, que vendemos com licitação. Passamos por um momento complicado, tivemos que adiantar férias de funcionários, mas toda a vez que entramos em uma crise, saímos mais fortes. Temos que ter ideias e inovar durante esse período de pandemia, com delivery sem custo, sem valor mínimo de entrega e, hoje, o cliente pede dois quilos de tomate e, se for dentro do município de Ivaiporã, atendemos sem custo; a motocicleta roda o dia todo. Começamos a divulgar no Instagram, facebook e whatsapp.

Paraná Centro - Provavelmente a pandemia acelerou esse processo?

Rodrigo Bovo - Acredito que sim, porque as orientações eram para que as pessoas não saíssem de casa e, como serviço essencial, continuamos trabalhando e atendíamos a pessoa em casa, levando a máquina de cartão de crédito, recebendo por pix e o que aparece de diferente, agregamos à empresa.