Campanha arrecada recursos para tratamento de criança com paralisia cerebral

Família de Lidianópolis pede ajuda para tratamento do filho

Família de Lidianópolis pede ajuda para tratamento do filho

Uma campanha denominada #AndaBenjamim está sendo realizada na internet com o objetivo de viabilizar recursos para o tratamento do pequeno Benjamim Miguel Ogawa Viana, de 1 ano e 8 meses, morador de Lidianópolis, que foi diagnosticado com paralisia cerebral.

A criança possui histórico de prematuridade extrema e asfixia perinatal, nasceu com 1 quilo e 95 centímetros e ficou 53 dias na UTI lutando pela vida, por não ter conseguido desenvolver como deveria. Além disso, apresenta paralisia cerebral e quadriparesia espástica, com espasticidade nos quatro membros, devido a essas sequelas, apresenta rigidez nos braços e pernas, o que o impede de realizar atividades simples e funcionais, como atividades de vida diária, brincar e andar sozinho, além de dificuldades para sentar.

Segundo a mãe Kariane Ogawa Viana, a dificuldade no desenvolvimento do filho fez com que a família procurasse ajuda especializada e, com 1 ano e dois meses, Benjamim foi diagnosticado com paralisia cerebral e recebeu acompanhamento especializado na Apae de Lidianópolis, onde começou a apresentar progressos. “Com esse acompanhamento houve progressos lentos, mas já estava surtindo efeito”, comentou a mãe.

Ao completar 2 anos, parte dos neurônios não usados pelo cérebro é eliminada, por isso, é necessário intensificar as terapias o quanto antes, uma vez que Benjamim está há poucos meses de fazer o segundo aniversário.

O comprometimento dificulta o desenvolvimento, assim é necessário intervenções de áreas relacionadas como fisioterapia, psicologia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, psicopedagogia entre outras especialidades que contribuam para a habilitação e reabilitação de todas as possibilidades que ele possa desenvolver.

Nesse sentido, o método Trieni, que parte de uma regulação que sua vestimenta proporciona, além de melhorar a posição do tronco, posicionamento corporal, fazendo com que o corpo sustentado consiga receber estímulos de forma não apenas motora, mas de maneira global foi indicado à família. No entanto, os pais optaram pelo tratamento TheraSuit, que é um protocolo de terapia inovadora, intensiva, para atendimento de pacientes com desordens neuromotoras, acompanhado de terapeuta ocupacional e fonoaudióloga, por ser um tratamento mais acessível financeiramente, mesmo sendo um valor alto.

Por isso, pensando na qualidade de vida da criança, os pais resolveram promover uma vaquinha online na internet e disponibilizar um pix para arrecadar o valor do tratamento, que tem que ser realizado a cada três meses em uma Clínica de Maringá, no valor de R$10 mil cada intensivo, além das manutenções que tem um valor à parte nesses intervalos. “Fomos atrás de um plano de saúde, mas ficou fora do nosso orçamento e também nenhum plano de saúde cobre esse tipo de tratamento. Quanto mais cedo ele fizer o tratamento, mais chances ele tem de andar. No mês que vem, a clínica vai fazer o tratamento gratuito, mas a partir de junho precisamos pagar”, explicou a mãe, citando que existe a possibilidade de conseguir o tratamento pelo Estado, mas isso pode demorar bastante tempo.

Para o pai William Ogawa Viana, o tratamento é muito importante na independência do pequeno Benjamim. “É um tratamento cujo valor não está no nosso orçamento, por isso, pedimos para que as pessoas colaborem com o valor que puder, porque nós como pais queremos o melhor para nosso filho”, ressaltou William.

Os pais finalizaram contando que a Prefeitura de Lidianópolis disponibilizou o transporte para as idas a Maringá e aguardam para saber se poderão ficar hospedados em alguma Casa de Apoio. Eles ressaltaram que se conseguirem o tratamento pelo Estado, o valor que tiver sido arrecadado até lá será doado para a Apae de Lidianópolis.

Para colaborar com qualquer valor os canais são https://www.vakinha.com.br/vaquinha/anda-benjamim, pix 43996655259.