Redação nota 1000 do Enem na Bahia cita Globo, Chaplin e nazismo; leia na íntegra

Nascido em Vitória da Conquista, na Bahia, o estudante baiano João Pedro Silva Bonfim tem um orgulho para colocar no currículo. Na Bahia, dos 395.437 inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019 somente ele conseguiu obter nota 1000 na prova de redação. No resto do país, apenas outros 52 estudantes obtiveram essa nota dos quase 5 milhões de canditados que se inscreveram no exame.

O jovem de 19 anos é um amante das letras, sobretudo da gramática, e sonha em ser médico. Por isso, sua vida tem sido dedicada aos estudos, com maior foco na Redação e nas Ciências Naturais.

No Enem de 2019, o tema da Redação foi “Democratização do acesso ao cinema no Brasil”, com trechos de textos de apoio, como do artigo “O que é cinema”, de Jean-Claude Bernardet; do texto “O filme e a representação do real”, de C.F.Gutfreind; e ainda do infográfico do periódico “Meio e a Mensagem” sobre o percentual de brasileiros que frequentam salas de cinema, e trecho do texto “Cinema perto de você”, da Agência Nacional de Cinema (Ancine).

O cinema surgiu como um mecanismo de registro de momentos e tinha um cunho científico, mas, pouco antes do início do século XX, foi apresentado ao mundo como uma arte, além de ser um entretenimento e, ao longo dos anos, ganhou forte repercussão internacional. Foram representados em vídeo personagens famosos, como Mickey Mouse, o Batman, o Superman, entre outros, que conseguiram grande sucesso ao redor do mundo. Apesar disso, o cinema evoluiu e hoje não é apenas uma forma de diversão para as massas, mas também um meio que expõe visões de mundo e consegue formar opiniões de grande valor. Assim, devido aos seus muitos benefícios, é imprescindível que seja democratizado o acesso ao cinema no Brasil.

O cinema cumpre um importante papel de conscientizar as pessoas. O filme “O grande ditador”, de Charles Chapllin, por exemplo, traz consciência a respeito do preconceito contra os judeus, pois retrata a Alemanha por volta de 1940, época em que era dominada por um regime nazista, o qual pregava o antisemitismo.

Esse filme também apresenta um contexto que se assemelha ao cenário político atual no Brasil, já que retrata a opressão de um governo ditatorial, fenômeno cujo conhecimento é muito importante na contemporaneidade, uma vez que grupos que defendem o autoritarismo e outras medidas antidemocráticas têm surgido e ganhado espaço no território nacional. Desse modo, os filmes têm grande peso na conscientização do povo brasileiro acerca de problemas, como o preconceito e ameaça à democracia.

Além disso, a sétima arte, como é chamada o cinema, funciona como uma importante fonte de informações. Os documentários, filmes que, como sugere o nome, documentam períodos, acontecimentos históricos e contextos geopolíticos são de extrema importância para a construção de opiniões por parte dos brasileiros. O documentário “Brasil, um país violento”, da Rede Globo, como exemplo, traz dados relevantes sobre a violência no país e captura a atenção dos espectadores devido à dramaticidade das cenas. Dessa maneira, os documentários conseguem unir a beleza da arte à transmissão de informação; são, pois, indispensáveis à nação brasileira, haja vista que contribuem sobremodo para a formação do pensamento crítico nacional.

Portanto, em vista da grande relevância que essa arte possui, o governo brasileiro e os shoppings (locais onde os filmes em sua maioria são exibidos), em parceria, devem fornecer universal e democraticamente, cinemas aos brasileiros, principalmente nas zonas rurais, nas tribos indígenas, que queiram acesso aos filmes, nas periferias das cidades e nas favelas, visto que essas áreas foram, historicamente, deixadas à margem da sociedade durante muitas décadas. Tal ação deve ser feita por meio do estabelecimento de salas de cinema próximas a esses lugares. Essas salas, por sua vez, precisarão ter seus ingressos parcialmente custeados pelo governo, de modo a baratear o acesso dos mais pobres às obras cinematográficas. Isso será realizado para que, como consequência, todos os habitantes da nação, ricos ou pobres, tenham acesso digno a essa tão importante forma de arte. Ao fazer isso, o Brasil conseguirá, por fim, democratizar o acesso aos filmes.

Na Redação, João Pedro fez uma abordagem histórica do surgimento do cinema como entretenimento e arte, e destacou que, com o passar dos anos, virou também uma importante plataforma para disseminar informações e formar opinião.