Escritores de Ivaiporã têm contos selecionados em livro de concurso nacional

Thaynara Silva e Ricardo Chagas apresentam livro com contos escritos por eles. Por: Antonello Nadal

Thaynara Silva e Ricardo Chagas apresentam livro com contos escritos por eles

Fonte: Antonello Nadal

Os escritores ivaiporãenses Ricardo Francisco de Camargo Chagas e Thaynara Cristina Silva receberam, recentemente, exemplares do livro do 31º Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba (SP) 2018/2019, no qual obtiveram destaque nacional.

Na publicação, que apresenta os contos vencedores dos concursos de repercussão nacional realizados em 2018 e 2019, Ricardo Chagas obteve a 3ª colocação com o conto “Todas as vezes que te perdi”, enquanto Thaynara Silva recebeu menção honrosa com o conto “Indomável”.

Os escritores, que se identificam no estilo de escrita, comentaram que, em breve, irão disponibilizar algumas unidades do livro para empréstimo na biblioteca pública de Ivaiporã, biblioteca do Sesc/Senac e também para venda. Eles ainda revelaram que pretendem lançar um livro de coautoria chamado A solidão de todos nós, que tem o ponto de vista feminino com O olhar de Capitu e o masculino com A tristeza de Dom Casmurro.

Ricardo Chagas, que é orientador de atividades do Sesc Ivaiporã, disse que o conto “Todas as vezes que te perdi”, é uma prosa poética que aborda o término de um relacionamento amoroso. “Gosto de versar sobre o assunto. Uma tentativa de mesclar prosa e poesia em uma história que envolve um relacionamento sem final feliz”, explicou Ricardo Chagas.

Na mesma linha de raciocínio, a auxiliar de cartório do Fórum de Ivaiporã, Thaynara Silva, escreveu o conto “Indomável”, que segundo ela é um conto introspectivo e reflexivo sobre os nossos instintos, como encaramos o mundo e o amor. “Meu interesse pela escrita despertou desde o final do ensino médio e desde então, é algo prazeroso que eu não parei mais de exercitar”, descreveu Thaynara Silva.

Ela reforçou que ter um conto publicado em um concurso de repercussão nacional a impulsiona a continuar escrevendo e buscando novos objetivos. “Descobri que gosto narrar mais sentimentos do que fatos”, relatou a escritora, citando que o primeiro conto publicado foi na coluna Folha 2 da Folha de Londrina.

Por sua vez, Ricardo Chagas destacou que a escrita por vezes é solitária e quando o texto é reconhecido em um livro em que centenas de escritores participaram e os melhores foram selecionados, é muito significativo.