Regional de Saúde alerta para cuidados mesmo com a vacinação

Vacinas chegam de helicóptero a Ivaiporã

Vacinas chegam de helicóptero a Ivaiporã

Na quinta-feira, dia 25 de fevereiro, a 22ª Regional de Saúde de Ivaiporã recebeu mais 1680 doses de vacinas contra a Covid-19, que foram distribuídas para os 16 municípios jurisdicionados. Foram 500 doses da vacina fabricada pelo Instituto Butantã em parceria com o laboratório chinês Sinovac e 1180 doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford com o laboratório Astrazenica e fabricadas no Brasil, pela Fiocruz.

Os municípios começaram a retirar as vacinas a partir da sexta-feira, dia 26 de fevereiro, e a aplicação teve início a partir dessa segunda-feira, dia 1 de março. Em Ivaiporã, por exemplo, a vacinação começou na terça-feira, 2 de março.

Nessa etapa, o público-alvo das vacinas são os idosos com idade acima dos 80 anos. A chefe da 22ª Regional de Saúde de Ivaiporã, Eleane Rother, comenta que algumas regionais de saúde do Paraná estão recebendo doses para vacinar os profissionais de saúde que ainda não foram imunizados. A regional de Ivaiporã já vacinou cerca de 88% dos profissionais de saúde, com pelo menos a primeira dose. “As demais regionais de saúde precisam igualar a imunização dos profissionais de saúde”, cita.

No entanto, a chefe da Regional salienta que mesmo que as pessoas tomem a primeira dose da vacina, elas não podem deixar de lado os cuidados necessários para controlar a Covid-19, como o uso de máscara, distanciamento social e álcool-gel para higienização constante das mãos. Para que a vacina possa ter sua eficiência completa é preciso um período de 14 dias após a segunda dose e, mesmo as pessoas que já se curaram da Covid-19 precisam ser vacinadas e continuar com os cuidados recomendados pelas autoridades de saúde.

A chefe da divisão de Vigilância em Saúde, Marcelle Mareze, ressalta que já existe no Paraná a circulação de novas cepas de vírus e que é preciso ficar alerta para que esse vírus não se dissemine nos municípios. “Todos precisam se cuidar, os jovens estão contraindo a doença e ficando internados por mais tempo, ocupando os leitos de UTI e isso está ocasionado uma pressão por leitos de UTI em todo o Paraná”, frisa Marcelle Mareze.

Eleane Rother elogiou o trabalho dos aplicadores de vacina, que têm realizado um excelente trabalho, fazendo o aproveitamento completo de todas as doses. Ela destaca que as ampolas vêm com um pouco mais do que as 10 doses e, como o trabalho dos aplicadores tem sido muito eficiente, com um aproveitamento total, sobrando de uma a duas doses em cada frasco. “Os aplicadores estão conseguindo garantir a dose exata, de acordo com o protocolo da Anvisa e, com isso fazendo um excelente aproveitamento das doses”, comenta a chefe da 22ª Regional de Saúde.