Nascimento de bezerros gêmeos chama atenção em propriedade da região

Parto de gêmeos em propriedades produtoras de leite tem se tornado mais comum

Parto de gêmeos em propriedades produtoras de leite tem se tornado mais comum

Um fato bastante curioso está chamando a atenção para o Sítio Nossa Senhora Aparecida, propriedade rural no município de Cruzmaltina. Desde o dia 9 de janeiro, já ocorreram quatro partos de bezerros gêmeos. O detalhe que mais chama a atenção é que todas as vacas foram cobertas pelo mesmo touro e de forma natural, sem o uso de inseminação artificial. O primeiro parto, ocorrido em 9 de janeiro, foi de uma vaca da raça Jersey, que pariu duas fêmeas. No dia 1 de fevereiro, um novo parto de gêmeos, dessa fez da raça Jersolanda, que é o cruzamento de Jersey com gado holandês, em que nasceram dois machos. Seis dias depois, em parto de outra vaca Jersey nasceram dois machos, mas um morreu e, no dia 18 de fevereiro, mais uma vez houve parto de bezerros gêmeos, dessa vez da raça Jersolanda, onde nasceram um macho e uma fêmea.

A propriedade pertence a Anoel Lopes, pai da ex-prefeita Luciana Bueno e sogro do ex-prefeito Maurício Bueno. Em entrevista ao Paraná Centro, Maurício Bueno contou que já havia ocorrido parto de gêmeos na propriedade, mas não com uma proximidade como esta, onde em menos de dois meses ocorreram quatro partos de bezerros gêmeos, ainda mais sem inseminação artificial. “Segundo os veterinários que conversamos, apesar de raro, é algo que pode acontecer de forma natural”, salienta.

A propriedade conta com animais da raça Jersey, Jersolanda e Holandesa e a produção de leite é uma das principais atividades. “Para a produção de leite, o nascimento de gêmeas sempre é bem vindo, pois assim conseguimos aumentar o plantel de produtoras de leite; quando nascem machos, aumenta um pouco a despesa, mas depois conseguimos vender o bezerro quando completa de 12 a 18 meses”, analisa Maurício Bueno.

O veterinário Marcos Schoten, supervisor técnico da empresa De Heus, que presta atendimento ao sítio em Cruzmaltina, destaca que o fato de terem ocorrido quatro partos de gêmeos seguidos é mais uma coincidência do que uma questão genética. Ele destaca que a melhora nas questões nutricionais dos animais, especialmente das matrizes, tem promovido uma melhora da qualidade dos ovários e, com isso, os partos gemelares estão se tornando mais comuns em rebanhos leiteiros.

Ele destaca que, apesar de terem sido inseminadas pelo menos touro, a questão desse parto está mais relacionada com a vaca do que com o touro em si. “Acredito que esse fato está mais relacionado com a uma melhoria no aporte nutricional das vacas, mas para as matrizes esse tipo de gestação não é a ideal, já que invariavelmente a fêmea vai precisar de um apoio na hora do parto e, se não for bem realizado, pode ocasionar sérios problemas para o animal”, destaca o veterinário.