Governo do Paraná amplia leitos para tratamento da Covid-19

Imagem da notícia.

Nessa segunda-feira, dia 22 de fevereiro, o Estado teve a maior taxa de ocupação de leitos exclusivos de terapia intensiva para o tratamento da doença, com 92% de taxa de ocupação. Vários hospitais do Paraná estão com 100% dos leitos ocupados e o número de novas contaminações continua em alta no Paraná. “Nós estamos fazendo todo esforço e força tarefa para ampliar em todas as regiões. A Sesa já tem equipe rodando os hospitais para ver de que forma é possível fazer a ampliação. No caso desses 40 novos leitos já foi dada a autorização para ampliar”, disse o governador.

O governo também deve editar um decreto com novas medidas restritivas e voltar a ampliar o período de toque de recolher e proibição de consumo de bebidas alcoólicas, que hoje funciona da meia-noite às 5 horas, e a suspensão das cirurgias eletivas. O governo estuda se a suspensão das cirurgias valerá apenas para o SUS ou também para os hospitais privados.

Na semana passada, o Governo do Estado havia anunciado a ativação de 62 leitos de enfermaria exclusivos para Covid-19. Dos leitos abertos, 10 estão no Hospital Regional do Litoral, em Paranaguá; 15 no Instituto Nossa Vida, no município de Coronel Vivida; 12 no Hospital e Maternidade Jesuítas, no município de Jesuítas, e 10 leitos na Associação de Saúde, na cidade de Mangueirinha; e 10 leitos no Hospital Bom Samaritano, em Céu Azul.

A Secretaria de Estado da Saúde desenha e organiza a ampliação da rede de leitos para atender pacientes em todas as regiões. Também existe a previsão de ativação de leitos de UTI: 5 em Sarandi e 6 em Francisco Beltrão. Na sequência, a pasta prevê a ativação de 10 leitos UTI em Maringá.

“O esforço do Governo do Estado é permanente para que não faltem leitos tanto de enfermaria como de UTI. Conseguimos, nos primeiros nove meses de pandemia, habilitar 1.135 leitos UTI exclusivos para tratamento da Covid-19. Anteriormente, em 30 anos, o Paraná tinha 1.315 para todo SUS”, disse o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

Hoje, quase um ano depois da organização da rede exclusiva Covid-19 e mesmo tendo passado por desativações em função da própria dinâmica da pandemia, o Paraná tem 1.216 leitos de UTI adulto, 22 UTI pediátrica; 1.779 leitos clínicos para adultos e 34 clínicos para crianças.

Desde o início da pandemia, a Secretaria da Saúde movimentou cerca de R$ 484 milhões em recursos de custeio e investimentos relacionados exclusivamente à Covid-19. Aproximadamente R$ 320 milhões foram destinados à área de Gestão em Saúde, responsável pela habilitação e contratação de leitos.

“Lembrando que a habilitação implica em todo esquema de funcionamento de um leito, como equipamentos, estrutura, profissionais e medicamentos”, ressaltou o secretário.

“É a maior ocupação de leitos desde o início da Covid-19”, afirmou o diretor de Gestão em Saúde da secretaria estadual, Vinícius Filipak. “Há meses estamos alertando gestores, profissionais da saúde e, principalmente, a população, que não basta a habilitação de mais leitos”.

Ele ressaltou que a Covid-19 tem alta transmissibilidade e também alta taxa de letalidade. “Cerca de 20% dos internados vão a óbito. Por isso, nosso alerta é para que todas as medidas preventivas sejam mantidas, como o uso da máscara de proteção, a higienização constante das mãos e o distanciamento social”, afirmou Filipak.