Vice-campeões da Taça Brasil sub17 falam sobre competição

Bruno, Guilherme e Raul contam experiência de ter jogado a Taça Brasil de Futsal. Por: Foto/antonello Nadal

Bruno, Guilherme e Raul contam experiência de ter jogado a Taça Brasil de Futsal

Fonte: Foto/antonello Nadal

O artilheiro da 12ª Taça Brasil de Clubes de Futsal Masculino sub17 é de Ivaiporã. Guilherme Manesco, ou simplesmente Gui, anotou 7 gols pelo Coronel Futsal, de Coronel Vivida na competição realizada na primeira quinzena de dezembro, em Recife (PE).

Ao lado dos também ivaiporãenses Bruno Santos Costa (fixo de 16 anos) e Raul Pedro Correa (ala de 17 anos), Guilherme Manesco, 17 anos, foi um dos destaques da campanha de vice-campeão brasileiro da categoria do Coronel Futsal. A exemplo dos companheiros, o pivô é formado pela Escolinha Silvinho Futsal e já conquistou inúmeros títulos defendendo o futsal do Colégio Objetivo e das seleções de base de Ivaiporã, sempre sob a batuta do professor Silvinho, que foi também quem os indicou ao Coronel Futsal.

Além de Gui Manesco, Raul Correa também se destacou no vice-campeonato com 2 gols e 5 assistências, sendo um dos principais garçons do torneio. Já Bruno Costa sofreu uma lesão durante o período de treinos em Coronel e não conseguiu se firmar entre os titulares, mas teve papel fundamental em toda a preparação e adaptação dos companheiros de infância ao novo clube.

Guilherme Manesco contou que a experiência de disputar uma competição nacional foi muito proveitosa e coroada com o vice-campeonato na decisão contra o Madureira (RJ), em que ele viveu um turbilhão de emoções ao fazer 3 gols na partida, dar uma assistência, se tornar o artilheiro isolado do torneio e, ao mesmo tempo, viver a decepção de perder um pênalti na prorrogação que levaria a disputa do título para as penalidades. “Comecei a partida com muita pressão, pois sabia que se fizesse um gol seria o artilheiro do Brasil e, quando saiu esse gol, a confiança aumentou ainda mais, por isso, não me arrependo de ter batido o pênalti, mas acabei feliz pelo meu desempenho individual, sendo o artilheiro”, comentou.

O trio, que joga junto desde a categoria fraldinha (sub7), destacou que esse entrosamento dentro das quadras foi importante para ganhar a confiança do treinador e espaço no time. “A individualidade conta, mas o coletivo é importante para ganhar a confiança. Além disso, ter ido com outros dois amigos facilitou nossa adaptação à cidade e ao clube”, observaram Raul e Bruno.

Questionados sobre o nível técnico da competição, os atletas disseram ter sido muito alto, com jogadores de nível nacional, por isso, o estreante Coronel Futsal teve que se superar para chegar a 2ª colocação.

O torneio foi transmitido pelo Facebook e, com isso, familiares e amigos dos ivaiporãenses puderam acompanhar o desempenho deles, e esse incentivo mesmo à distância foi um combustível para que eles pudessem representar o município de Ivaiporã com mais determinação.

Sobre o futuro como atletas, o trio ainda aguarda propostas para retornar à equipe de base de Coronel ou ser contratado pela equipe adulta que conseguiu acesso à Série Ouro. “Nossa vontade é continuar jogando futsal, mas ainda não tem nada concreto, apesar de termos formado uma família lá em Coronel”, contaram os meninos, reforçando o agradecimento aos que torceram por eles e, principalmente, ao apoio das famílias e do professor Silvinho, que os incentivaram na decisão de disputar a Taça Brasil, tendo em vista que, por terem ficado entre os 3 do Brasil em uma competição nacional, podem requerer o Bolsa Atleta.

Comentários