Escolas estaduais terão votação a partir do dia 9 de dezembro

Escolas estaduais passarão por eleições em 2020

Escolas estaduais passarão por eleições em 2020

Cerca de 1,7 mil escolas estaduais do Paraná vão realizar eleições para diretores em dezembro. Nesta semana, a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte publicou a resolução 4.252/2020 sobre o processo eleitoral que vai definir os gestores das escolas para os próximos quatro anos.

Presidente da Comissão Consultiva Regional do Núcleo Regional de Ivaiporã, Luís Fernando de Lima Ronchi, ressalta que essa consulta à comunidade escolar para a escolha de diretores e diretores auxiliares será realizada no dia 9 de dezembro e vai acontecer em todas as escolas da rede estadual de educação, com exceção dos colégios estaduais Barão do Cerro Azul e Bento Mossurunga, de Ivaiporã, e Anita Garibaldi, de Jardim Alegre. Os dois primeiros são colégios com educação em tempo integral e o último foi indicado pela comunidade escolar para a adoção do modelo cívico-militar e, por isso, a forma de escolha da direção segue resoluções diferentes.

O pleito acontecerá das 8h00 às 22h00 em todos os estabelecimentos da rede estadual, à exceção das extensões onde funciona a educação de jovens e adultos, ligados ao CEEBJA, que estarão recebendo votos durante seu horário de aulas.

Ele explica que, nesse ano, a votação é direta e não há pesos diferentes entre votos de alunos e de professores. O voto é facultativo e podem participar todos os funcionários e professores lotados no estabelecimento de ensino, alunos acima de 16 anos e os responsáveis legais de cada ano, que está inscrito no SERE (Sistema Estadual de Registro Escolar). O processo de escolha também vai seguir os protocolos de distanciamento e segurança definidos pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), sendo obrigatório o uso de máscara dentro do local de votação, distanciamento entre os mesários, evitar a aglomeração de pessoas e a solicitação para que os eleitores levem suas próprias canetas.

Os candidatos precisam trabalhar na escola em que pretendem concorrer, há pelo menos seis meses, e ter feito o curso de gestão escolar. Obrigatoriamente, têm que ser funcionários do regime estatutário do Governo do Estado e, durante o processo, precisam apresentar um plano de metas e trabalho para o período de quatro anos. “Esse plano de trabalho será avaliado na metade do mandato e, se o candidato eleito não cumprir esse plano, ele terá que dar explicações”, comenta Luís Fernando.

Uma diferença que existe em relação à eleição anterior é a questão da propaganda dos candidatos. Como as aulas estão acontecendo de forma remota, a propaganda está sendo incentivada a ocorrer na internet e os debates só podem ocorrer por meio de aplicativos virtuais, como o meet ou outro tipo de plataforma. “Está proibida a aglomeração de pessoas nas escolas e, nesses locais, as campanhas estão proibidas”, informa.

Para que o processo de consulta seja considerado válido, é preciso que atinja o quórum mínimo de 35% de comparecimento, caso isso não ocorra será prorrogado o prazo de consulta.