Idoso de 100 anos esbanja saúde e lucidez

Arlindo Souza completou 100 anos em agosto, esbanjando vitalidade

Arlindo Souza completou 100 anos em agosto, esbanjando vitalidade

O senhor Arlindo José de Souza completou 100 anos de idade no dia 6 de agosto deste ano, mesma data do Dia do Senhor Bom Jesus, padroeiro de Ivaiporã. Na ocasião, ele foi homenageado pelo padre João Valentim Voltarelli, na celebração da missa do padroeiro.

Quando Arlindo nasceu, a expectativa de vida no Brasil era de, aproximadamente, 34 anos; hoje, ultrapassa os 70 anos, mas ele acabou de completar o centenário de vida com muitos motivos para comemorar. “Fiquei muito feliz e emocionado porque gosto muito do padre João Voltarelli”, citou o homenageado.

Arlindo Souza foi casado com Joana América de Souza, falecida em 2006. Da união do casal nasceram 7 filhos, 12 netos e 8 bisnetos. Uma família tão grande assim não é para qualquer um, mas ele teve tempo para ter tantos descendentes.

Nascido em Lavras, sul de Minas Gerais em 1920, ele veio com a família para o Paraná plantar roça de café em 1945, residindo em Cornélio Procópio, Faxinal e, em 1963, em Ivaiporã, estabelecendo-se no Sítio Cruzeiro do Sul, na localidade de Água do Valete, cerca de 7 quilômetros do centro de Ivaiporã. “Gosto muito de morar em Ivaiporã, por ser um lugar tranquilo para se viver”, destacou o idoso.

Quem vê o Seu Arlindo na varanda de casa pensa que se trata de um jovem senhor, afinal, ele esbanja lucidez e vitalidade aos 100 anos de idade. Seu Arlindo conversa baixinho e tem uma pequena dificuldade auditiva, pela idade avançada, mas é um homem bastante saudável, considerando o padrão de vida dos idosos. “Estou aqui firme até quando Deus quiser”, lembrou o idoso centenário, que chegou a Ivaiporã quando o município ainda engatinhava.

A filha Maria Aparecida de Souza comentou que um dos segredos para a boa saúde do pai foi trabalhar a vida toda na roça, sempre com muita disposição e alegria.

Maria Aparecida acrescentou que o pai realiza sozinho a maioria das tarefas diárias e que praticava, até pouco tempo, atividade física regularmente, como caminhadas, e jogou futebol até os 63 anos de idade. “Desde que viemos morar na cidade, meu pai fazia caminhadas diárias; e vamos à missa todo dia 6 de agosto, para comemorar a vida dele”, afirmou a filha, que é também cuidadora do idoso centenário.

Comentários