Questões de interpretação de texto: dicas para não errar

Parte I

Invariavelmente as provas dos concursos cobram a interpretação de texto e muitas vezes nos voltamos bastante para a parte gramatical e nos esquecemos de praticar esse conteúdo tão importante.

Numa média simples dentre todas as provas de concursos, chegamos a pelo menos 20% de tudo o que é cobrado em Português com relação direta com a interpretação do texto. Por isso, vamos passar aqui 10 dicas para você não errar:

- Entender o título:

Se um candidato sai da prova e não se lembra do título do texto, isso é sinal de que ele não interpretou bem! Assim, sempre que for realizar a interpretação, observe o título e procure entender a relação dele com o tema central. É ele que normalmente resume a ideia central do texto.

- Ler o texto pelo menos duas vezes:

Não se deixe levar pela primeira impressão. Ao fazer uma prova qualquer, leia o texto pelo menos duas vezes, atentamente, antes de responder a qualquer questão. Primeiro, é preciso captar sua mensagem, entendê-lo como um todo, e isso não pode ser alcançado com uma simples leitura. A cada leitura, novas ideias serão compreendidas. Tenha paciência! Só depois tente resolver as questões propostas.

Este tópico é muito importante porque muita gente parte para apenas uma leitura do texto, para ganhar tempo na execução da prova, mas o que é melhor? Fazer rápido ou fazer com eficiência?

Normalmente, com uma só leitura, ainda não temos a possibilidade de “entrar” com a devida profundidade no texto. Por isso, mesmo que pareça perder tempo, leia-o pelo menos duas vezes.

- O que diagnosticar na primeira leitura:

Na primeira leitura, entendemos de maneira geral a ideia central do texto, sua ligação com o título e de certa o posicionamento do autor. Nesta primeira leitura, percebemos uma visão global das ideias, se o texto é uma crítica, uma análise aprofundada ou não, se há uma linguagem mais livre ou muito técnica.

Somente com esta primeira podemos nos confundir na afirmação das alternativas e com isso podemos cair nas famosas “pegadinhas”.

- O que diagnosticar na segunda leitura:

Na segunda leitura, aprofundamos no entendimento do texto, percebemos as palavras-chave dele, as quais norteiam a condução de sua linha argumentativa e a relação entre os parágrafos. Nesta leitura, identificamos pontualmente as informações e isso é importante porque devemos comparar tais informações com as de cada alternativa.

Dessa forma, temos a chance de, ao ler as alternativas, perceber as palavras-chave que estão desconexas com o texto e eliminar as erradas.

- Comparar a afirmação de cada alternativa com o texto:

Dizemos que as questões textuais devem ser respondidas por meio da comparação de seis textos: o de cada alternativa (a, b, c, d, e) com o texto.

Quem monta as questões de interpretação deve sempre mostrar para a coordenação da banca por que determinada alternativa é a correta e por que as demais estão erradas. Assim, o trabalho de analogia de cada alternativa com o texto sempre será feito com a ideia de que somente uma apresenta as informações semelhantes ao texto. Por isso, a segunda leitura, sobre a qual falamos anteriormente, é importante, justamente porque é ela que nos identifica as palavras-chave e em que ponto do texto se defendeu tal ideia.

Assim, leia atentamente a afirmação de cada alternativa. Perceba nela cada palavra. Cuidado com palavras que generalizam muito ou especificam muito. Normalmente estará aí o motivo de você eliminar a alternativa.

Comentários