Mais de 120 indígenas já contraíram Covid-19, em surto registrado em aldeia de Manoel Ribas

Claudinei Batista – enfermeiro responsável pela epidemiologia

Claudinei Batista – enfermeiro responsável pela epidemiologia

As autoridades de saúde municipal de Manoel Ribas estão preocupadas com o surto de Covid-19, registrado dentro da Aldeia Indígena Ivaí. Até a terça-feira, dia 20 de outubro, já foram confirmados 121 casos. Desse total, três pacientes estão internados, e um deles, um senhor de 84 anos, está na UTI do Hospital Regional de Ivaiporã, desde o dia 29 de setembro.

O enfermeiro e responsável pelo setor de epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde de Manoel Ribas, Claudinei Batista de Jesus, ressalta que dos casos positivos até o momento, 80% são considerados assintomáticos e o restante está com sintomas leves e em isolamento na aldeia. No entanto, alguns fatores dificultam o trabalho de prevenção para conter a disseminação do vírus.

Um dos fatores é que a reserva conta com cerca de 1,8 mil moradores e praticamente todos residem na área central da aldeia. Além disso, as famílias são bem numerosas e moram muito próximos. Outro fator cultural coloca os indígenas dentro do grupo de risco para a Covid-19. Por hábito, para esquentar as residências, especialmente no inverno, eles colocam fogo no meio da casa e isso faz com que inalem muita fumaça, levando-os a desenvolver a DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica), que é um agravante para a Covid-19. Além disso, por questões culturais, existe uma dificuldade maior para que eles usem de máscara e façam higienização das mãos.

Claudinei ressalta que foi possível manter a aldeia livre da doença até o final do mês de setembro. O primeiro caso só foi registrado no dia 29 de setembro e até então todos os suspeitos tiveram resultados negativos para a doença. Ele explica que isso foi possível por várias medidas que foram adotadas. A primeira foi a colocação de uma barreira sanitária, além da vacinação em massa de todos os indígenas, além do auxílio emergencial, que fez com que os indígenas ficassem em casa com o recurso da ajuda governamental, além das contribuições da Sesai e Funai.

No entanto, com o passar dos meses, com a redução no valor do auxílio e o longo tempo de ociosidade, os indígenas começaram a sair de casa para comercializar a produção de artesanato e essa maior movimentação pode ter levado o vírus para dentro da aldeia.

Outros 34 casos são suspeitos, mas a expectativa é que o número de coletas aumente nos próximos dias. O protocolo definido para os povos nativos é que todas as pessoas da família de um contato positivo tenham exames coletados e, por isso, o número deve ser ainda maior.

Medidas

Após a confirmação do surto por parte do Governo do Estado, registrado no dia 6 de outubro, a Secretaria Municipal de Saúde já realizou duas reuniões com a presença de representantes do Ministério Público, Prefeitura de Manoel Ribas, Sesai, Funai e lideranças da reserva indígena, buscando trabalhar ações de prevenção e tentar reduzir o contágio entre os índios. No entanto, Claudinei Jesus comenta que o território da reserva tem a gestão do Governo Federal e o município pode apenas fazer sugestões na busca de prevenção. “Estamos trabalhando em parceria com os técnicos do Sesai, da Funai e da liderança indígena, para buscar minimizar os efeitos do surto entre os moradores da reserva Ivaí”, ressalta.