Redes sociais promovem venda de produtos caseiros

Durante a pandemia da Covid-19, muitas pessoas tiveram que se adaptar e começar a trabalhar em casa, o chamado home office. No entanto, para muitas pessoas o trabalho em casa já é uma realidade há muito tempo, principalmente, para aquelas que realizam a produção de alimentos em casa. Seja pela necessidade de conseguir uma nova fonte de renda ou impossibilidade de trabalhar fora, muitas pessoas realizam esse tipo de produção e aproveitem as redes sociais para divulgar seu trabalho e comercializar seus produtos.

Pão de Mel

Carla Regina produz pão de mel

Carla Regina produz pão de mel

Carla Regina do Amaral se especializou na produção do pão de mel “Duas Marias”. O produto ganhou esse nome em função das duas filhas da empreendedora. Dona de casa, ela precisou buscar uma alternativa para completar a renda após o divórcio, que ocorreu há cerca de dois anos. “Sempre gostei de cozinha e fiz outras coisas, como docinhos, mas para comercialização tenho focado apenas no pão de mel”, cita.

Como não queria deixar as filhas sozinhas em casa, Carla Amaral começou a procurar uma alternativa de renda e como todos elogiavam o pão de mel, ela começou a vendê-los, inicialmente para vizinhos e parentes, e depois procura aumentou. “Temos um parente de uma vizinha que sempre vem de viagem e pede para levar os pães de mel e acaba comprando de 20 a 30 de cada vez”, relata.

Nos últimos meses, surgiu o desejo e de aumentar a produção e também buscar uma formalização para poder comercializar o pão de mel em restaurantes e mercados.

O sucesso que o produto tem feito com os clientes é atribuído, segundo Carla Amaral, pela simplicidade aliada à qualidade do produto e isso tem sido um diferencial. “Hoje, o mercado tem muita coisa gourmetizada e esse produto é algo artesanal, caseiro, que remete à infância de muitas pessoas”, avalia.

Carla Amaral não faz a venda de porta a porta, geralmente ela produz por encomenda ou por pedido, quando posta que está sendo feita a produção, no facebook. “Procuro sempre ser rigorosa na escolha da matéria-prima e isso tem sido importante para manter a qualidade do produto. Por enquanto, o pão de mel é um complemento de renda, mas espero que, em breve, seja a minha principal fonte de renda”, ressalta.

Bombom

Alessandra e Amaral mostram bombons feitos em casa

Alessandra e Amaral mostram bombons feitos em casa

Também pela necessidade de cuidar da filha de cinco anos e para ter uma renda extra, Alessandra Aparecida Dametto do Amaral, há cerca de dois meses, começou a produção de bombons artesanais, que são comercializados pelo esposo. Ela aprendeu o ofício com a cunhada, com quem trabalhou por dois meses, quando houve uma paralisação na produção. Ela queria voltar a trabalhar, mas como tem uma filha de cinco anos e não com quem deixá-la, já que as creches estão fechadas, a solução foi trabalhar em casa e produzir os bombons, que são vendidos pelo marido. A produção atual é de aproximadamente 300 unidades por semana e a procura aumenta a cada dia.

Alessandra inicia a produção às 5 da manhã e quando os bombons ficam prontos, o esposo sai para a venda. Bombeiro aposentado, sargento Claudine Ferreira do Amaral salienta que essa experiência é algo novo para ele, mas como o produto tem muita qualidade, é cremoso e natural, quem experimenta o produto acaba comprando novamente. “Temos tido uma boa aceitação e agradeço às pessoas que compram”, aponta.

Alessandra Amaral ressalta que o segredo para a satisfação dos clientes é o investimento em um chocolate de qualidade e produtos naturais. “Um chocolate mais barato tem muito açúcar e isso faz com que o bombom não fique tão bom”, ressalta. O casal pensa, inicialmente, em se consolidar e depois expandir o projeto.

Pão caseiro

Família de Marilza Silva mostra pães prontos para venda

Família de Marilza Silva mostra pães prontos para venda

Marilza Silva, há cerca de três anos, queria parar de trabalhar fora, por insistência da filha e do esposo, e também porque já não estava mais feliz no que fazia. A filha Aline Santos disse que se ela começasse a produzir os pães, ela se dispunha a vendê-los. “Começamos meio como brincadeira, mas depois foi começando a ganhar corpo e, hoje, deu muito certo”. O “Delícias da Ziza” é vendido por encomendas e pedidos feitos pelas redes sociais e por um grupo de whatsapp, onde são postados os quitutes do dia.

A produção teve início com o pão caseiro de fermentação natural e depois foram surgindo os outros produtos como o pão integral, bolachas, doces e geleias. “Esses são produtos coloniais que eu cresci vendo minha avó fazendo e tem aquele gostinho de sítio e fazenda”, ressalta.

Marilza Silva disse que tem uma clientela bem estabilizada e que a produção semanal de pães chega a 120 unidades, fora os outros produtos. Ela tem alguns produtos que são sazonais, como pamonha e canjica, e que tem uma saída excelente e, para lançar o produto, pensa muito, mas até o momento tem sido um sucesso. Ela já tem o registro como MEI (Micro Empreendedor Individual) e pensa na possibilidade de ampliar o espaço físico da produção, mas a ideia, caso isso se concretize, é que a produção continue em casa.

A filha Aline Santos ressalta que, aos poucos, o trabalho vem sendo reconhecido e uma das coisas que eles não pretendem deixar de lado é manter o contato próximo com o cliente e, por isso, pensam em continuar eles próprios realizando a entrega dos produtos, pois isso traz um feedback muito positivo.

Marmita Fit

Fernanda Cois dos Reis apresenta marmita fit

Fernanda Cois dos Reis apresenta marmita fit

A pedagoga e professora de piano Fernanda Cois dos Reis também tem trabalhado na produção de alimentos em casa e se especializou na oferta de uma alimentação saudável, com a marmita fit. Conciliando algumas aulas de piano com o novo empreendimento, ela disse que essa proposta surgiu há cerca de dois anos e meio, quando precisou mudar alguns hábitos alimentares, após ficar grávida. “Tive que parar de trabalhar e mudei muito minha rotina por conta da minha filha, precisei ficar mais tempo em casa e, procurando voltar ao corpo que tinha anteriormente, resolvi fazer uma reeducação alimentar”, conta.

Após uma consulta com uma nutricionista, Fernanda conta que algumas amigas que frequentavam sua casa passaram a experimentar a comida e incentivar que ela começasse a oferecer esses alimentos para outras pessoas. Ela fez cursos para a preparação de lanches e comida caseira, tudo direcionado à alimentação saudável. “Minha proposta sempre foi oferecer comida de verdade, evitando os produtos industrializados”, pontua.

No decorrer desse trabalho, alguns clientes com restrições alimentares foram procurando os serviços e o leque foi se abrindo e, com isso, a produção de Fernanda passou a ser cada vez mais personalizada e caseira.

Ela começou com a oferta de lanches lowcab, sem glúten ou sem lactose e sem açúcar e, com o tempo, passou para marmitas e refeições mais saudáveis. “Muitas pessoas, por falta de tempo para preparar almoço ou jantar e querendo consumir algo mais saudável, me procuraram. Sempre oriento a primeiro entrar em contato com um nutricionista, aí sim, monto as refeições personalizadas, de acordo com o plano individualizado do cliente”, ressalta.

A empreendedora ressalta que seu trabalho é bem complexo, pois exige tempo e pesquisa, além de atualização constante. “É um trabalho personalizado e, para elaborar, uso temperos mais naturais, menos sal e, por isso, não é uma comida para ser produzida em grande escala, justamente para não perder a identidade da cozinha”, frisa.

A busca cada vez maior de benefícios à saúde tem feito com que aumente também a busca por outros produtos, como sobremesas lowcarb, zero lactose e sem açúcar. “Sou grata a cada cliente, pela confiança depositada no meu trabalho e pretendo trazer novidades em breve”, ressalta.

Comentários