Cozinheira faz sucesso com versão paranaense de acarajé

Érica Arantes e Marlene Lima mostram produção de acarajé

Érica Arantes e Marlene Lima mostram produção de acarajé

A cozinheira Marlene Lima e sua filha Érica Lima Arantes têm feito sucesso entre seus clientes com uma versão paranaense do tradicional acarajé baiano. As quituteiras trabalham com encomendas de salgados e doces para festas e eventos, mas já conquistaram o paladar de muitos clientes com a iguaria. Marlene Lima conta que viu a receita de acarajé em um programa de televisão, mas algum tempo depois teve contato com uma baiana, que ensinou o segredo da massa. Ela faz esse produto há 26 anos e chegou a cozinhar para moradores que levaram o acarajé para Minas Gerais.

No entanto, para adaptar a receita ao paladar mais suave dos moradores da região, Marlene fez algumas adaptações. O acarajé tradicional é frito no óleo de dendê e na composição vai o feijão fradinho. No entanto, o gosto mais apimentado não agradava tanto os consumidores da região. “Fiz uma pesquisa aqui em Ivaiporã e as pessoas me falavam que não gostavam do acarajé, por causa da pimenta e também porque o azeite de dendê deixava um gosto muito peculiar no salgado”, disse.

Para manter a freguesia, ela foi fazendo adaptações e as pessoas foram gostando e os pedidos aumentando e, hoje, ela tem a receita que usa óleo de soja e feijão carioquinha na massa.

Outra mudança é que o acarajé tradicional vai camarão. Para reduzir os custos, ela prepara o petisco com recheio de carne moída e frango, que é o mais pedido pelos consumidores. “No início, os clientes falam que vão experimentar, mas já com aquele pensamento que é semelhante ao acarajé da Bahia, que muitos não gostam, mas depois que provam, ficam maravilhados e se tornam clientes”, ressalta.

Acarajé ajudou na criação dos filhos

Para Marlene Lima, o acarajé “paranaense” não tem a importância apenas de uma receita que deu certo. Ela destaca que essa iguaria fez com que ela conseguisse uma renda extra, que foi muito importante para sustentar as três filhas. Depois, ela começou a usar o talento para ajudar outras pessoas com pequenas promoções, cuja renda era revertida para pessoas que precisavam. Atualmente, ela reduziu um pouco do ritmo de trabalho, em função de alguns problemas de saúde, mas conta com a ajuda da filha Érica Arantes, no preparo e na entrega, e que está aprendendo com a mãe os segredos do acarajé paranaense.

As encomendas podem ser feitas pelos fones (43)998480669 ou (43)988273280.

Comentários