Gaeco cumpre mandados de busca e apreensão em Nova Tebas

Três mandados de busca foram cumpridos na terça-feira, 25 de agosto, em Nova Tebas, pelo Ministério Público do Paraná, por meio do núcleo de Londrina do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Deferidas pela 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná, as ordens foram executadas na prefeitura e nas residências do prefeito e do secretário municipal de Planejamento.

A pedido do MPPR, a Justiça também proibiu quatro empresários, que são investigados por participação no esquema, de frequentar a prefeitura, bem como de manterem contato entre si e com servidores do município. Além disso, foi determinada a proibição de empresas ligadas a eles de participarem de processos licitatórios.

São investigados os crimes de fraude licitatória, desvio de recursos e falsificação de documento, relacionadas à entrega pelo prefeito de uma motoniveladora do município que precisava de conserto. O procedimento foi feito sem qualquer formalidade (havendo, inclusive, suspeita de que a máquina devolvida ao município não seria a mesma) e em nenhum momento houve preocupação com o controle do custo do serviço. Além disso, posteriormente, juntamente com outros servidores públicos, para legalizar o pagamento, o prefeito teria fraudado processo licitatório, recorrendo a três empresários de Londrina, cujas empresas já estavam envolvidas em outras fraudes licitatórias.

A investigação decorre da Operação Operação Dejà Vú, deflagrada em outubro de 2019, para apurar crimes de fraude em licitações, corrupção e falsidade ideológica no município de São Jerônimo da Serra.

O jornal Paraná Centro entrou em contato com o procurador do município, Marco Barbosa, que confirmou, por telefone, que houve o devido processo licitatório e que a empresa participou do certame e ofereceu o melhor preço. Ele disse que o serviço foi efetivamente prestado e que a motoniveladora está trabalhando normalmente no município. “O processo licitatório ocorreu de forma normal e isso está no portal da transparência da Prefeitura de Nova Tebas”, afirmou. Com relação às possíveis acusações, que desencadearam a busca na casa do prefeito, o procurador não descarta a possibilidade de questões políticas. Ele ressalta, ainda, que se a empresa que prestou o serviço cometeu irregularidades em algumas prefeituras, isso não ocorreu em Nova Tebas.

Prefeitura de Nova Tebas é algo de mandado de busca e apreensão do Gaeco

Prefeitura de Nova Tebas é algo de mandado de busca e apreensão do Gaeco

Comentários