Municípios contabilizam perdas por causa do granizo

Imagem da notícia.
Imagem da notícia.

As prefeituras, por meio dos departamentos de agricultura, e a Emater dos municípios da região central começam a contabilizar os prejuízos causados pelo temporal com queda de granizo, na terça-feira, dia 30 de junho. Em algumas cidades, os ventos chegaram a 120 quilômetros por hora e muitos classificaram como um ciclone bomba ou ciclone extratropical. Na região, apesar dos ventos fortes, os maiores prejuízos ocorreram pela queda de granizo que se concentrou, principalmente, na área rural. Várias cidades registraram queda das pedras de gelo, como Manoel Ribas, Cândido de Abreu, Arapuã, Lidianópolis, Lunardelli, Cruzmaltina e Faxinal.

Em Lidianópolis, a maior incidência foi na região da Água Verde, onde duas plantações de goiaba e uma de maracujá foram seriamente afetadas pelos ventos e granizo. O secretário municipal de Agricultura de Lidianópolis, Luiz Carlos da Silva, o Casagrande, disse que além dos danos nas lavouras citadas, também houve estragos em produções de milho e trigo; e áreas de produção de abacate, que estavam em floração, também foram bastante prejudicadas, o que deve interferir diretamente na produção da fruta para o ano que vem.

Ele destaca que está sendo feito um levantamento dos prejuízos e das propriedades afetadas e, nos próximos dias, deve ter dados precisos.

Em Lunardelli, um levantamento preliminar da Emater aponta que as áreas mais atingidas pelo granizo foram nas divisas com Lidianópolis e São João do Ivaí, onde houve eventos pontuais em pequenas áreas, mas que causaram um dano considerável. Tanto que a estimativa é que os estragos ocasionados pelo granizo representem uma perda entre 5% a 10% da produção.

Imagem da notícia.
Imagem da notícia.