Advogado cria aparelho que facilita higienização das mãos e desinfecção dos sapatos

Elisa Emiko Takemoto, Amabile Schaiane, Dr. Rogério Dangui Cleto e Edson José dos Santos mostram equipamento que ajuda a esterilizar as mãos

Elisa Emiko Takemoto, Amabile Schaiane, Dr. Rogério Dangui Cleto e Edson José dos Santos mostram equipamento que ajuda a esterilizar as mãos

O advogado Rogério Danguy Cleto, ex-presidente da subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Pitanga, preocupado com a ascensão da Covid-19, resolveu fazer algo em benefício da população e construiu um equipamento que possibilita a higienização automática das mãos com álcool gel e também desinfecção das solas dos sapatos, com uma mistura de água com hipoclorito de sódio (água sanitária). Desde o início da pandemia, ele já construiu quatro aparelhos esterilizadores, que foram colocados no Hospital São Vicente de Paulo, casa lotérica, igreja Sant’Ana e em seu escritório de advocacia e, agora, está construindo o quinto equipamento.

A iniciativa surgiu da angústia e da tristeza ao ver, no início da pandemia, que a doença estava se alastrando pelo mundo e causando mortes em países da Europa e começando a chegar ao Brasil. “Resolvi canalizar toda essa revolta e frustração em fazer algo que ajudasse as pessoas na luta contra essa doença”, comenta.

Ele começou a estudar como o vírus se propagava e, além das vias respiratórias e das mãos, um estudo da Alemanha mostrou que o coronavírus também se prolifera pelos pés. A proteção pelas vias aéreas ocorre com o uso de máscara; a higienização das mãos tem ocorrido com o uso de álcool gel, mas não havia nenhum tipo de orientação com relação à proteção das solas dos sapatos. “Percebi também que para a aplicação do álcool, as pessoas precisam pegar o recipiente na mão e, se ela estiver contaminada, acaba deixando o vírus no recipiente”, cita.

A ideia foi bolar um aparelho, de estrutura simples, que evitasse o contato das mãos com o recipiente onde está o álcool gel e também que pudesse esterilizar as solas dos sapatos. Para isso, o advogado criou um equipamento que é acionado por pedal e despeja a quantidade necessária de produto para a higienização das mãos. O mesmo equipamento umedece um tapete em que é colocada a solução de hipoclorito de sódio, que esteriliza os sapatos.

“Esse trabalho ajudou a manter meu equilíbrio emocional e todo esse desapontamento que senti, canalizei na construção desses aparelhos”, cita o advogado. Ele comenta que comprou todo o material utilizado e fez toda a mão de obra, à exceção dos tapetes, que foi doação de uma empresa de decoração. “Essa é a minha contribuição, que pode ser pequena, como uma gota no oceano, mas me ajudou a me entreter e se transformou nesse projeto”, frisa.

O proprietário da lotérica de Pitanga, Edson José dos Santos, disse que o aparelho tem sido muito usado e facilitou bastante a vida das pessoas que buscam os serviços da lotérica. “Isso tem sido muito bom na prevenção do coronavírus e temos solicitado que as pessoas mantenham distância de dois metros e tenham paciência, pois o atendimento está mais lento, em função das restrições que estamos seguindo, por causa da pandemia”, afirma o proprietário da lotérica.

Comentários