Perda do milho safrinha deve ficar em torno de 25% nesse ano

Agrônomo do Deral acredita em perdas na ordem de 25% no milho safrinha

Agrônomo do Deral acredita em perdas na ordem de 25% no milho safrinha

Mesmo com a chuva que caiu na semana passada, que totalizou cerca de 78 milímetros, segundo dados da Coamo de Ivaiporã, a perda com o milho safrinha, na área de atuação do Núcleo Regional da Seab de Ivaiporã, deverá ficar na casa dos 25%, segundo o agrônomo, Sérgio Empinotti, chefe do Deral (Departamento de Economia Rural).

Ele destaca que, em toda a região, foram plantados cerca de 50 mil hectares da lavoura, cerca de 4% a mais do que no ano passado. Apenas nos municípios de Ivaiporã, Arapuã e Jardim Alegre houve um pequeno aumento na área. Já nas regiões de São João do Ivaí, Lunardelli e Lidianópolis, que são tradicionais produtoras de milho safrinha, a área continua a mesma.

Empinotti ressalta que houve chuvas desregulares em algumas lavouras e isso possibilitou que, em algumas regiões, houvesse o florescimento e formação de espigas. No entanto, a falta de chuva impossibilitou o desenvolvimento completo do potencial produtivo das variedades plantadas e, com isso, as espigas ficaram menores e o peso do grão também ficou menor. “Acredito que essa chuva, pela intensidade que foi, estancou as perdas e acredito que uma nova chuva mesmo leve, nos próximos dias, fará com que não haja mais perdas, no entanto, apenas com a colheita será possível medir o potencial produtivo”, frisa.

Trigo

As lavouras de trigo estavam irregulares; nos locais onde teve um pouco de umidade, as plantas germinaram e, em outras, onde estavam mais seco, as sementes ainda não haviam eclodido. Empinotti comenta que as chuvas igualarão as lavouras de trigo, mesmo as que tiveram uma germinação antecipada. Sobre o clima, ele acredita ser um inverno normal, e se houver duas ou três chuvas bem distribuídas, a lavoura de trigo terá uma boa safra. “No entanto, o clima ainda é incerto e temos que torcer para não ocorrer uma geada no período de florescimento do trigo”, comenta.

Safra de verão

Empinotti comenta que, para a safra de verão, o produtor precisa levar em consideração a possibilidade de haver poucas chuvas durante o período da cultura e a recomendação é que, se possível, ele plante duas ou três variedades de soja, pensando em espécies com maior tolerância a seca, mas também optar por variedades de ciclos mais curtos e outras de ciclos mais longos. “Esperamos que chova com regularidade, mas a previsão é que podemos ter problemas com períodos longos sem chuva; o produtor tem que estar atento a essa possibilidade quando for realizar seu planejamento de safra”, ressalta.

Comentários