Chefe do NRE de Ivaiporã comenta adiamento do Enem

Chefe do Nre de Ivaiporã defende igualdade de condições na preparação para realizar prova. Por: Divulgação

Chefe do Nre de Ivaiporã defende igualdade de condições na preparação para realizar prova

Fonte: Divulgação

O Ministério da Educação decidiu adiar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) por conta da pandemia do novo coronavírus. A decisão vem depois de fortes pressões de movimentos sociais e do Congresso.

O governo também enfrentava questionamentos na justiça, cobrando que a data da prova fosse alterada, uma vez que escolas suspenderam as aulas presenciais por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Em nota, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) anunciou que “as datas serão adiadas de 30 a 60 dias em relação ao que foi previsto no edital”. O tempo da prorrogação será decidido por uma enquete. Em junho, os estudantes inscritos terão acesso à consulta no site do Enem, na “Página do Participante”.

Após uma grande manifestação da sociedade pedindo a mudança da data do Enem, o chefe do Núcleo Regional de Educação de Ivaiporã, Valber Clarimundo, comentou que ficou satisfeito com a posição adotada pelo Ministério da Educação, pois o fechamento das escolas impactou diretamente na preparação dos estudantes que farão a prova.

Para o educador, o adiamento foi a decisão mais acertada a se tomar nesse momento, diante das circunstâncias causadas pelo coronavírus. “Temos que pensar na questão emocional, a preocupação do jovem de se expor neste momento e contrair ou passar o vírus para algum familiar, além da preocupação pela falta de emprego por parte de chefes de família, que são autônomos e não estão trabalhando. As incertezas provocadas pelo momento vivido pela sociedade podem prejudicar o rendimento do aluno e impactar, negativamente, no desempenho dele na hora da prova”, afirmou o professor.

Ele avaliou que a medida se faz necessária devido à paralisação das aulas presenciais, pois, a grande maioria dos alunos não é autodidata, e precisa de uma melhor orientação e explicação mais efetiva dos professores. “Enquanto diretor do Colégio Estadual Cristovão Colombo, de Jardim Alegre, fiz um trabalho forte com professores e agentes educacionais referente à inscrição dos alunos, tirando dúvidas, indicando materiais de estudo e, devido ao distanciamento social, o aluno não tem contato direto com a escola e limita as possibilidades de preparação para a prova”, justificou Valber Clarimundo.

Questionado se o período de adiamento anunciado pelo MEC (de 30 a 60 dias) é suficiente para os alunos, o chefe do NRE de Ivaiporã acredita que minimiza os problemas de desigualdade entre alunos que têm acesso a computadores, materiais online e outras tecnologias disponibilizadas pelas escolas no sistema de Ensino à Distância (EAD) e aqueles estudantes que dependem do apoio da escola, laboratório de informática, biblioteca e orientação de profissionais dos estabelecimentos de ensino. “De certa forma, o adiamento minimiza essa diferença e acredito que a sociedade voltando à normalidade, isso traz maior tranquilidade e segurança para o aluno”, argumentou o chefe do Núcleo Regional de Educação.

A prova do Enem estava prevista para 1º de novembro e 8 de novembro. As inscrições ainda estão abertas até as 23h59, da quarta-feira, 27 de maio, sendo que os candidatos devem ficar atentos à confirmação da inscrição na “Página do Participante”. Os boletos da taxa da prova poderão ser pagos até 28 de maio.

Comentários