Futuro presidente do TSE não vê chance de unificar as eleições

O ministro do Supremo Tribunal Federal e futuro presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luiz Roberto Barroso, concedeu entrevista a TV Record na segunda-feira, dia 11 de maio, e disse que não vê chance de ocorrer uma unificação das eleições de prefeito e vereador com a eleição para presidente, governador, deputado federal e deputado estadual em 2022. Essa possibilidade está sendo ventilada, em função da pandemia do novo coronavírus e da incerteza da possibilidade de realização do primeiro turno das eleições em 4 de outubro.

Barroso comentou que seria muita informação a escolha de 7 candidatos para cargos diferentes, o que poderia confundir o eleitor, além de ser um transtorno muito grande para toda a Justiça Eleitoral. No entanto, nas eleições realizadas em 2018, o eleitor votou para seis candidatos diferentes (governador, presidente, dois senadores, deputado federal e deputado estadual).

Já sobre a realização das eleições de 2020, Barroso disse que o desejo da Justiça Eleitoral é realizar as eleições sem qualquer tipo de adiamento. No entanto, ele admitiu que se, em meados do mês de junho, a curva da doença no Brasil ainda estiver subindo, será considerada a alternativa de adiamento da eleição. “Esperamos que seja por poucas semanas, passando para novembro ou, na pior das hipóteses, no início de dezembro”, ressalta.

Comentários