Dez óbitos por dengue confirmados no boletim semanal da Sesa

O boletim semanal da dengue aponta 167.707 mil casos confirmados da doença no Estado, com 10.289 casos a mais que a publicação anterior, que trazia 157.418 mil confirmações.

O informe publicado nesta terça-feira (12) pela Secretaria da Saúde do Paraná também confirma dez óbitos por dengue. As mortes ocorreram entre os meses de fevereiro e abril e estavam em processo de investigação.

228 municípios estão em situação de epidemia; entraram para esta relação as cidades de Apucarana, Congoinhas, Planalto, Jundiaí do Sul e Foz do Jordão. Todos apresentam taxa de incidência proporcional acima de 300 casos por 100 mil habitantes.

São 303.548 mil notificações para a dengue em todas as regiões do estado. O boletim totaliza dados de julho de 2019 até a data de ontem, dia 11.

“A dengue mata e os números confirmam a gravidade da situação; entre os óbitos confirmados na semana temos, inclusive, casos de crianças que morreram por causa da infecção. Alertamos a população para ações de combate à doença com a eliminação dos criadouros do mosquito Aedes Aegypti, pois os principais focos de transmissão estão nos domicílios e precisamos da participação de todos neste controle”, afirma o secretário da Saúde do Paraná, Beto Preto.

Óbitos – Entre os dez óbitos confirmados nesta semana, dois são de crianças. Outro dado chama a atenção, cinco óbitos não apresentam comorbidades associadas.

Dois óbitos foram município de Paranavaí, duas mulheres, uma de 67, com cardiopatia associada, e outra de 58 anos, sem comorbidade. Os demais óbitos aconteceram em: Foz do Iguaçu, homem, 53 anos, sem comorbidade; Cascavel, homem, 21 anos, sem comorbidade; Douradina, homem, 91 anos, sem comorbidade; Sarandi, mulher, 54 anos, com epilepsia associada; Toledo, mulher de 43 anos, que havia passado por cirurgia bariátrica há 4 anos; Tupassi, homem de 63 anos, com hipertensão; Assis Chateubriand, um menino de 8 anos, sem comorbidade; e em Maringá, outro menino de 4 anos que apresentava sequela neurológica.

Comentários