Jogador de Manoel Ribas fala sobre paralisação do futebol durante a pandemia

Imagem da notícia.

Mesmo antes do pico da pandemia do novo coronavírus no Brasil, dirigentes de clubes e federações discutem a volta dos treinos e, num segundo momento, dos campeonatos. Alguns exemplos são Grêmio e Internacional, que chegaram a retomar os treinos no Rio Grande do Sul, com uma série de restrições; mas um novo decreto do governo estadual fez com que os clubes tivessem que voltar atrás na decisão.

O volante manoelribense Robson Schuelter Melis, 25 anos, que já jogou em clubes como Batatais, Francana, Grêmio Catanduvense (SP); Crac de Catalão e Goianésia (Goiás); Uberlândia (MG), River (PI) e, atualmente, tem contrato com o Guarany de Sobral (CE) até o final de 2020, conversou com o Paraná Centro e apresentou a visão dele sobre a paralisação no futebol por conta da Covid-19.

Com todas as competições e treinos paralisados por conta da pandemia do coronavírus, o clube decidiu interromper os contratos de todos os jogadores até que a situação voltasse à normalidade. No entanto, o Sindicato dos Atletas de Futebol do Estado do Ceará (Safece) interviu e conseguiu reverter a situação, mantendo os jogadores empregados durante a pandemia do novo coronavírus. “Até agora eu não tenho uma resposta em relação à quebra de contrato, estamos aguardando para não fazer nada precipitado. Nós, jogadores, estamos sem saber de nada, esperando e torcendo para que tudo se resolva da melhor forma possível”, disse o jogador.

Robson Alemão, como é conhecido no meio futebolístico, contou que durante a quarentena tem conciliado o tempo entre uma panificadora, da qual é proprietário em Manoel Ribas, e os treinos que são realizados com o auxilio de um profissional de educação física, que o ajuda a manter o condicionamento. “A rotina tem que continuar, não dá pra ficar parado. Estou sendo auxiliado na preparação e creio, que quando voltar o campeonato, estarei preparado para retomar as atividades do clube”, comentou.

A Federação Cearense aguarda autorização da Secretaria Estadual de Saúde, que não prevê data para a volta do futebol, até porque o governo do Estado prorrogou o isolamento social até o dia 20 de maio. “Já ficamos tempo demais em casa, mas não podemos passar por cima das leis que impedem o retorno; lá no Ceará foi prorrogada a quarentena por mais alguns dias, ninguém sai e ninguém entra em Fortaleza; então só nos resta rezar para que tudo se resolva o mais rápido possível e volte ao normal”, citou o jogador.

Sobre uma possível volta aos treinos num futuro próximo, Alemão acredita que o Guarany está estruturalmente preparado para cumprir os protocolos exigidos pelas autoridades sanitárias, uma vez que vai disputar a Série D do Campeonato Brasileiro. “É um clube bem estruturado, que hoje só está atrás de Fortaleza e Ceará no Estado, por isso, acredito que teria condições de cumprir os protocolos, sem oferecer riscos aos profissionais que lá trabalham”, finalizou.

Guarany estava classificado para a Copa do Brasil de 2021 e ocupava o G-4 do Estadual. Por: Divulgação

Guarany estava classificado para a Copa do Brasil de 2021 e ocupava o G-4 do Estadual

Fonte: Divulgação

Campanha do time em 2020

O ano se mostrava bastante promissor para o Guarany de Sobral. O rubro-negro foi o “campeão simbólico” da 1ª fase do Estadual, o que lhe assegurou vaga na Copa do Brasil 2021.

Pelo desempenho na 2ª fase, praticamente garantido na fase semifinal, também conquistou a vaga na Série D 2021, o que seria apenas uma garantia, visto que o clube tenta o acesso para Série C 2021 neste ano.

Comentários