Engenheira agrônoma testa plantio de grão-de-bico em Ivaiporã

Estela Zanetti mostra planta em ponto de colheita. Por: Divulgação

Estela Zanetti mostra planta em ponto de colheita

Fonte: Divulgação

A engenheira agrônoma Estela Guisi Bagio Zanetti concluiu, recentemente, a colheita de uma cultura inédita em Ivaiporã e que praticamente não é plantada em nenhum lugar do Paraná, o grão-de-bico. Segundo produtora, que cultivou um alqueire da leguminosa na chácara da família, próxima à Vila Nova Porã, a ideia de realizar a cultura partiu da observação que esse é um grão altamente valorizado no mercado e, na comparação com a soja e o feijão, tem um valor agregado bem alto. “Comecei a pesquisar e descobri que a Embrapa Brasília tem um projeto iniciado, há cerca de uma década, para o cultivo no Brasil e que alguns produtores em Mato Grosso e Goiás estão apostando na cultura”, ressalta. Ela desconhece a existência de algum outro produtor no Paraná e no Vale do Ivaí.

Planta se adaptou bem ao clima da região

Planta se adaptou bem ao clima da região

A agrônoma comenta que a redução no consumo de carne é uma tendência em todo o mundo, motivado por uma alimentação com menos gordura, cuidado com o bem-estar animal e preservação dos recursos naturais. Com isso, a busca de uma alimentação mais rica em nutrientes tem colocado o grão-de-bico como uma alternativa para quem busca uma fonte rica em proteína. Esse é um alimento muito usado na cultura árabe e asiática e é a segunda leguminosa mais consumida no mundo e pode ser uma aposta interessante para o agronegócio. “Existe uma cultura de migração para o maior consumo de alguns vegetais, o que contribui para o aumento da demanda deste tipo de produto”, ressalta.

Aspectos culturais

O grão-de-bico é uma cultura de verão e começa a ser plantado a partir de outubro. A produtividade varia entre 20 a 30 sacas por hectare e é bastante semelhante à soja, inclusive, sendo colhida com colheitadeiras. Os principais cuidados com a cultura são retirar as plantas invasoras, que foram exterminadas com a capina manual e sem o uso de nenhum defensivo químico. A cultura tem um ciclo de 120 dias.

Motivos para consumir grão-de-bico

- O grão-de-bico, do ponto de vista nutricional, é um legume com importantes qualidades culinárias e nutritivas, sendo rico em proteínas, sais minerais e vitaminas do complexo B;

- Devido à sua grande quantidade de amido, grão-de-bico é usado pelo nosso organismo como fonte de energia. É pobre em água e gorduras, e está isento de colesterol;

- Por possuir grande quantidade de celulose na casca, o grão-de-bico estimula o funcionamento dos intestinos;

- Cada 100g de grão-de-bico contém 6g de fibras, sendo em sua maioria fibras solúveis, que ajudam de forma eficaz o organismo a eliminar açúcares, gorduras e colesterol;

- Vários estudos apontam a relevância dessa leguminosa na prevenção de doenças cardiovasculares, assim como no tratamento de vários tipos de anemia. Além disso, o grão-de-bico contém uma generosa quantidade de cálcio, ferro, magnésio e minerais que desempenham funções importantes no organismo;

- Sendo um alimento relativamente barato, o grão-de-bico oferece uma grande versatilidade na culinária, fazendo muito sucesso em pratos como a pasta de grão-de-bico, sopa de grão-de-bico, salada de grão-de-bico e muito mais.

- A leguminosa é indispensável em uma dieta alimentar equilibrada, sendo incorporada em nossa alimentação do dia a dia;

- O grão-de-bico possui ainda uma grande quantidade de triptofano, utilizado para produzir serotonina, responsável pela ativação dos centros cerebrais que dão sensação de bem-estar, satisfação e confiança.

Leguminosa é a segunda mais consumida no mundo

Leguminosa é a segunda mais consumida no mundo

Comentários