Álcool gel praticamente não é encontrado em Ivaiporã

Procura por álcool gel é grande em Ivaiporã. Por: Antonello Nadal

Procura por álcool gel é grande em Ivaiporã

Fonte: Antonello Nadal

A procura por álcool gel aumentou consideravelmente em todo o País e, em Ivaiporã, não foi diferente, tanto que desde o dia 18 de março, o produto usado para higienizar mãos e produtos tocados com frequência praticamente não é mais encontrado em farmácias, supermercados e livrarias.

As farmacêuticas Roberta da Silva Biazim e Ana Lorena Alves da Rocha contaram que a procura pelo produto aumentou significativamente desde que o número de casos da pandemia do coronavírus cresceu no Brasil. “Nós nunca tínhamos ficado sem álcool gel 70 nas prateleiras. Acredito, sem dúvidas, em um crescimento de 100% nas vendas”, estimou Ana Lorena Rocha.

Elas esclareceram que a drogaria segue as normas estabelecidas de preço, embora o álcool gel manipulado tenha um preço diferenciado pelo processo de produção não ser em escala.

As profissionais esclareceram que na falta do álcool gel 70, os consumidores têm optado pela compra do álcool líquido, mas orientaram que se deve tomar cuidado por se tratar de um produto inflamável. “O álcool que faz a assepsia é o 70%, tanto gel quanto líquido. Ele age na membrana e mata o vírus, receitas caseiras não funcionam, pois não tem eficácia contra o vírus”, ressaltou Roberta Biazim, lembrando que é importante utilizar o álcool gel várias vezes ao dia.

De acordo com as especialistas, o uso do produto para higienização das mãos é muito importante, mas a população deve estar atenta à lavagem das mãos de forma corret,a sempre que chegar ou sair de casa. Além disso, a orientação é evitar colocar as mãos no rosto e na boca e fazer o isolamento social como forma de prevenção ao contágio da doença, bem como se alimentar bem, tomar vitamina C para aumentar a imunidade, ingerir produtos como mel, própolis e açafrão.

Outras dicas importantes repassadas pelas especialistas é procurar um posto de saúde antes de se automedicar, além de ter consciência do momento delicado que o mundo vive e pensar no próximo.

Em outra drogaria do município, a farmacêutica Lidiane Tavares da Silva relatou que o produto também está em falta, apesar de diariamente serem feitos pedidos de encomendas. “A indústria não está dando conta da demanda excessiva, por isso estamos aguardando para o final dessa semana a chegada do produto”, afirmou.

Ela também defendeu que a melhor medida preventiva é a lavagem das mãos, principalmente com sabonete antibacteriano, e que o álcool gel deve ser utilizado em locais onde não é possível lavar as mãos. Além disso, para aumentar a imunidade, a farmacêutica recomenda o uso de suplementos vitamínicos à base de vitamina C, evitando que o organismo fique suscetível ao novo vírus. “O fortalecimento da imunidade ajudará a não adquirir o vírus, e de acordo com informações da Organização Mundial da Saúde, pessoas imunodeprimidas ou com doenças pré-existentes são as mais suscetíveis a ser infectado pelo coronavírus”, finalizou.

Já em uma livraria e papelaria da cidade, o álcool em gel acabou no dia 19 de março, dois dias após chegar ao estabelecimento. Até a publicação dessa reportagem, restavam algumas unidades do álcool 70 líquido, e a empresa decidiu limitar a venda do produto a 2 unidades por cliente, assim como procedeu na venda de máscaras e luvas. Por outro lado, em uma rede de supermercados, algumas unidades do produto chegaram no início da semana, mas de acordo com o gerente, o estoque da mercadoria não dura muito tempo, tamanha é a procura do consumidor.

Comentários