REGÊNCIA NOMINAL

Na semana passada, tratamos, nesse espaço, da Regência Verbal. Nesta semana, vamos tratar da Regência Nominal.

A Regência Nominal é o nome dado à relação de interdependência sintático-semântica entre um nome como termo principal – termo regente – e um termo que lhe serve de complemento – termo regido. Essa relação é fundamental para a organização sintática do nosso idioma. E é importante conhecê-la principalmente para uso na variedade padrão da língua.

Para compreender esse tópico gramatical é preciso saber que a relação entre um termo regente e um termo regido é intermediada por uma preposição. A preposição se configura como uma classe de palavras que tem justamente a função de ligar dois elementos de uma frase, estabelecendo uma relação entre eles. Caso não lembre, estas são algumas das preposições mais frequentes do português: em – a – para – de – com – por – entre – contra – desde – perante – sobre – ante – após. Há ainda algumas outras, mas aprender essas significa ter domínio do conteúdo tratado.

A organização da Regência Nominal ocorre da seguinte maneira:

Imagem da notícia.

Veja como a mesma oração fica prejudicada sem a devida organização da regência nominal:

As plantas carnívoras são inofensivas os seres humanos.

Como pode ser observado, a preposição “para” foi omitida, ela é a responsável por vincular o termo regente “inofensivas” ao termo regido “seres humanos” e estabelece a relação de regência nominal.

Existem preposições exatas para cada nome, por isso deve haver um cuidado especial principalmente na hora da escrita para que a regência nominal seja usada com adequação, de acordo com a norma padrão da Língua portuguesa e deste modo evitar qualquer tipo de erro.

Confira na lista a seguir como as preposições são aceitas por algumas palavras:

Imagem da notícia.

Comentários