Aparecimento de fungos da ferrugem coloca produtores de soja em alerta

Edson Oliveira mostra lâmina com fungo da ferrugem asiática

Edson Oliveira mostra lâmina com fungo da ferrugem asiática

O aparecimento de esporos de ferrugem asiática em um coletor localizado na cidade de Arapuã colocou os produtores de soja em alerta com o aparecimento do fungo causador da doença na região. A coleta foi realizada no dia 7 de janeiro e a confirmação foi realizada pelo técnico agrícola da Emater, Edson de Oliveira, que compõe o grupo que faz o monitoramento do aparecimento da doença em todo o Paraná.

Apesar da gravidade da doença, o controle com a aplicação preventiva de fungicida tem sido eficiente e evitado que a doença se propague pelas plantas. Em todo o Paraná, são aproximadamente 200 coletores espalhados e, na área de atuação da regional da Emater de Ivaiporã, além desse, também existem outros pontos de verificação em Cruzmaltina, Faxinal, Ivaiporã e Pitanga. Além da ocorrência de esporos na lâmina do coletor, também foram identificados pontos de ferrugem em plantas próximas e comprovadas pelos exames de laboratório.

Edson Oliveira acredita que isso não deve causar prejuízos, porque praticamente todos os produtores fizeram aplicação de fungicida para a ferrugem e alguns já realizaram até 3 vezes. O clima é favorável à doença, mas a estiagem que ocorreu entre o Natal e o Ano Novo possibilitou que todos os produtores tivessem realizado a aplicação preventiva. A preocupação maior com a doença segue até o final do mês de janeiro, quando se completa o período de formação e enchimento de grãos, quando ainda pode ocorrer algum tipo de prejuízo à lavoura. “A nossa recomendação é que o produtor, que ainda não fez, faça a aplicação preventiva, seguida da aplicação de um protetor, para melhorar a eficiência do defensivo e continue monitoramento suas lavouras”, ressalta.

Ele explica que alguns estudos mostram que se não for controlada, a quebra provocada pela ferrugem pode passar de 80% da produtividade. O controle também é necessário para evitar que o fungo se prolifere e propague para outras culturas, já que ele só consegue sobreviver em plantas vivas.

Pragas

Oliveira ressalta ainda que o programa de monitoramento realizado pela Emater também observa a incidência de insetos que podem causar danos às lavouras. A maior preocupação é com a incidência do percevejo marrom, cuja infestação está dentro do esperado tanto para a época, como também pela quantidade. “O produtor deve continuar fazendo o monitoramento, usando as técnicas recomendadas, e uma delas é justamente o uso da técnica de batida de pano e se for encontrado pelo menos 2 animais a cada m², a aplicação de inseticida deve ser realizada”, ressalta o técnico.

Ele avalia que a praga está controlada pelo aumento no número de inimigos naturais no ambiente. Oliveira relata que, desde que a soja com tecnologia intacta foi implantada na região, a aplicação de inseticida para controle da lagarta foi reduzida e, com isso, houve a preservação dos inimigos naturais dos percevejos. “A realização do monitoramento integrado de pragas e doenças é importante, pois usando as técnicas corretas, produtores conseguiram uma redução na aplicação de defensivos em até 50%, o que representou um lucro de 5 sacas a mais de soja por alqueire”, finaliza.

Comentários