Desintoxicação digital: faça agora!

Imagem da notícia.

O uso excessivo das novas tecnologias pode levar a um descontrole psíquico e comportamental. Desconectar-se por alguns períodos faz parte da rotina de quem quer manter a vida em equilíbrio

A tecnologia está tão presente na nossa vida que, antes de darmos um bom-dia a alguém, já olhamos o celular e não é só para desligar o despertador. Mesmo depois de um dia inteiro de trabalho, antes de fechar os olhos é para o celular que desviamos a atenção, seja para dar aquela última olhada nas redes sociais, fazer uma pesquisa ou checar as últimas notícias.

Tamanha é a nossa dependência do smartphone, que uma pesquisa realizada com brasileiros concluiu que 52% deles não conseguem ficar um dia inteiro longe do aparelho celular; 16% dos entrevistados apontam que o uso do celular atrapalha no âmbito profissional. Segundo relatos de 16% dos internautas, até o relacionamento com a família é afetado; 12% revelam serem prejudicados quando estão dirigindo e recebem ligações/mensagens; e 6% apontam que o uso recorrente do smartphone atrapalha até a vida sexual.

O que é Fomo e Jomo?

Esse excesso de uso, exposição e necessidade de aprovação (curtidas e comentários) nas redes sociais podem se transformar em doença. Trata-se da síndrome Fomo. Ela é a sigla para “fear of missing out”. Traduzindo: medo de perder oportunidades ou algo importante. Ou uma sensação angustiante de que estamos perdendo algo de que os outros estão aproveitando. Segundo os especialistas, esse sentimento pode aparecer na forma de um questionamento sobre a sua vida em relação à das outras pessoas – ou ao que elas postam nas redes sociais. Logo, as escolhas dos outros, cada vez mais estampadas nas redes sociais, podem servir de espelho para causar primeiro a inveja. Mas, com o tempo, esse sentimento pode crescer e até torturar, se a pessoa acreditar que está sempre perdendo algo. Ou que a sua vida é menos interessante que a do outro. Com isso, ela deixa de aproveitar o momento real, o presente.

Agora, Jomo, da sigla “joy of missing out”, seria o oposto ao Fomo. Ou seja, estar feliz por perder algo, por dizer não. Aquilo que, traduzido para a realidade das redes sociais, seria como estar à parte de todas essas exposições para valorizar e curtir o momento presente. Seja ler um livro, encontrar-se com amigos ou, simplesmente, assistir a um programa de TV, sem se importar com as postagens nas redes sociais.

Governo lança campanha detox

Preocupado com o uso indevido e excessivo das tecnologias, o governo federal acaba de lançar o Programa Reconecte, com o propósito de “reconectar” as famílias e os relacionamentos sociais em geral. A ideia reúne uma série de projetos em diversos eixos, com a finalidade de promover ações que vão desde a educação nos diversos aspectos da dignidade humana até as que visam uma reeducação tecnológica, fortalecendo relações sociais reais, em especial com a família, incentivando o uso dos recursos tecnológicos de maneira inteligente.

Dicas para fazer o detox digital

Desligar-se do celular e das redes sociais é mais difícil do que se imagina, porque há um hábito a ser vencido. Mas existem maneiras de se desconectar da vida digital e curtir a vida real. Confira:

- Estabeleça um momento para desligar-se do mundo digital. Pode ser aos finais de semana ou em determinada hora do dia. O importante é a frequência de não estar conectado a nenhuma rede virtual. Assim, você faz desse ato um novo hábito;

- Seja persistente. Nenhuma mudança ocorre da noite para o dia, e o mesmo vai acontecer com seu “processo de desintoxicação”. Não conseguiu ficar mais de uma hora sem o celular? Ok, amanhã você treina por mais tempo;

- Dê atenção aos seus interesses e sentimentos. Conhecer-se a si mesmo ajudará a entender essa necessidade de estar conectado o tempo todo. E estar consciente é o primeiro passo para entender que podemos viver sem o mundo digital;

- Diga adeus às notificações. Elas muitas vezes se transformam em um grande sofrimento. Receber uma notificação atrás da outra impede a concentração e interrompe nossas conversas com as pessoas presentes. Mantê-las ativadas com o tempo todo pode gerar ansiedade e uma maior preocupação;

- Tenha planos alternativos. Convide um amigo para um café, leia um bom livro, pratique algum esporte ou, simplesmente, ocupe seu tempo livre com alguma atividade que você gosta.

Comentários