Escritor de Cândido de Abreu lança livro de contos “Histórias de Vidas”

Escritor recebe amigos no lançamento do livro

Escritor recebe amigos no lançamento do livro

O agricultor Adão Ferreira, 42 anos, lançou na sexta-feira, 22 de novembro, durante a festa em comemoração ao aniversário de Cândido de Abreu, o livro “Histórias de Vidas”, publicado pela MR Gráfica & Editora, de Ivaiporã. O evento aconteceu em praça pública, onde foi montado um estande para Adão Ferreira receber os leitores e autografar os livros.

A obra, que tem por objetivo retratar a realidade de uma sociedade contemporânea, segundo o escritor, foi sendo lapidada há quatro anos, e garantiu que outras histórias estão por vir.

O título retrata histórias humanas que são baseadas em fatos reais vivenciados ou presenciados pelo autor ao longo dos anos. “Também é uma forma de trazer para a sociedade algo que ficou omisso ou que ela não conseguiu resolver. São histórias importantes que impactam a vida da sociedade e que serviram de inspiração para o livro”, explicou.

A obra reúne 9 contos, em 94 páginas, com histórias conceituadas e codificadas pelo autor, como é o caso do conto A Luz, onde Adão Ferreira faz uma reflexão sobre o machismo. No entanto, o título está omisso e faz referência ao gênero feminino. “O personagem entra na ação do machismo, faz o ataque, perde a luz e no final reconhece o erro dele e agradece pela luz estar viva”, exemplificou.

Além de A Luz, os outros contos trazidos no livro são: Amor Eterno Século XX, Lenda Viva, O Milagre, Padre ou Podre – A Revolução, Sonho de Menina, Sonho de Menina é ser Menina, Uma Deusa em Minha Vida e Sei que estou vivo.

O autor, que atende pela alcunha de Lenda Viva, ressaltou que o livro foi produzido a partir de uma pesquisa científica e tem por objetivo retratar histórias de vidas que nunca ninguém viu ou soube, mas que existem, tudo de forma pedagógica.

Adão Ferreira contou que o incentivo para escrever o livro e materializar as experiências de vida de um homem do campo simples, surgiu por intermédio da professora Andrea Francine Batista, que o lapidou no transcorrer da escrita. “Eu nunca abri esse meu sonho para muita gente, a não ser para alguns companheiros. Por isso, meus professores ficaram surpresos ao saberem desse dom”, contou.

Leitor de Maquiavel, Karl Marx, Jacques London, Ariano Suassuna, o escritor relatou que a inspiração para a obra vem da psicanálise. Ele lembrou que, no começo, o desejo de escrever e publicar um livro era uma utopia, que virou sonho e, após muito trabalho, a primeira obra tornou-se realidade.

Ferreira acredita que o livro escrito por ele vai fortalecer a cultura literária em Cândido de Abreu e inspirar outras pessoas a seguirem o mesmo caminho. “Acredito que posso ser uma inspiração para outras pessoas, assim como admiro o trabalho da escritora Leocádia Sawczuk, mas quem sonha em entrar para o mundo da escrita precisa estudar e ler muito”, afirmou

O escritor classificou a atividade como um desafio, mas adiantou que já está trabalhando em um novo título, que conta com três histórias prontas, mas que ainda não tem previsão de lançamento.

Adão Ferreira destacou a emoção pelo sonho realizado e agradeceu as pessoas que colaboraram diretamente com ele na confecção do livro, casos de Maristela Organek, Maiara Pazio, doutora Andrea Francine Batista e Karina Umbelino, que fez a revisão final do livro. “Não é fácil a vida no campo, é um desafio e um sonho realizado para um camponês cuidar das coisas do campo e tirar tempo para escrever um livro. Por isso, compartilho esse sonho com todos que me ajudaram. Descobri que é possível e agora ninguém me segura, porque outros livros virão”, finalizou.

Escritor autografa livro de vereadora do município

Fonte: Marco Franciscato

Na obra, autor retrata Histórias de Vidas

Escritor e a colega Karina Umbelino, responsável pela revisão final do livro

Adão Ferreira com a filha

Escritor autografa livro

Capa do livro “histórias de Vidas”

Biografia

Adão Ferreira nasceu em 1977 no município de Mamborê/PR. Desde muito jovem ajudou a mãe trabalhando na roça, onde atuava cerca de 12 horas por dia como bóia-fria, andando em média 80 quilômetros em cima de um caminhão de pau-de-arara.

Nunca desistiu de estudar, percorreu diversas cidades do Paraná e, em todas, tentou concluir os estudos. Por fim, foi em Cândido de Abreu que terminou o ensino médio.

Em 2014 ingressou na Universidade Federal da Fronteira Sul – campus de Laranjeiras do Sul, concluindo em 2018 o curso em Educação do Campo Ciências Sociais e Humanas – licenciatura com habilitação nas áreas de história, filosofia, sociologia e geografia.

Comentários