Ivaiporã entrega premiação do concurso Café Qualidade

Valdecir Souza, Valdecir Teixeira e Walter Marcomini produzem os três melhores cafés de Ivaiporã

Valdecir Souza, Valdecir Teixeira e Walter Marcomini produzem os três melhores cafés de Ivaiporã

Mesmo com todas as dificuldades do clima desse ano, além de pragas como a broca e preço baixo, o município de Ivaiporã deve entrar forte novamente na disputa do Concurso Café Qualidade Paraná. Os três primeiros colocados do concurso Café Qualidade Ivaiporã foram revelados na segunda-feira, dia 9 de setembro, no salão nobre da prefeitura, em evento que contou com a presença do prefeito de Ivaiporã, Miguel Amaral; do vice-prefeito Ilson Gagliano; do presidente da Câmara de Vereadores, Eder Bueno e dos vereadores Edivaldo Montanheri (Sabão), Hélio Barros e Alex Papin; da chefe regional do Núcleo da Seab (Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento), Vitória Montenegro Holzmann; da gerente regional da Emater, Ana Maria de Moraes; do presidente da Associação da Agricultura Familiar de Jacutinga, João de Andrade; além do gerente da Câmara Setorial do Café, Francisco Barbosa Lima; entre outros convidados.

A expectativa dos cafeicultores de Ivaiporã era grande para o concurso desse ano, em função do resultado alcançado no ano passado, com os cafés de Márcio Rosa Fávaro e da família Ravar, que no concurso estadual ficaram em primeiro e quinto lugar, respectivamente. Márcio Fávaro, inclusive, ficou em quinto lugar geral e segundo colocado na categoria microlote da Agricultura Familiar, no concurso nacional promovido pela Abic (Associação Brasileira da Indústria do Café). No entanto, o clima deste ano prejudicou a qualidade do café produzido em todo o Brasil e apenas cinco lotes concorreram no concurso local.

O engenheiro agrônomo e especialista em cafeicultura da Emater, Nelson Menolli, que também é um dos julgadores do concurso estadual do Café, disse que o clima foi muito complicado para a produção de cafés com qualidade. De forma geral, as lavouras apresentaram entre 8 e 9 floradas, o que prejudica a maturação uniforme dos grãos, que é essencial para a produção de café com qualidade; também houve excesso de chuva na colheita e vários períodos de estiagem, além da geada que afetou as lavouras no final do ciclo. Com isso, apenas cinco cafeicultores apresentaram amostras para concorrer no concurso municipal.

No entanto, a qualidade dos cafés selecionados surpreendeu os julgadores. “A pontuação no julgamento foi muito boa e todos eles pontuaram acima de 82 pontos, que é maravilhoso, e possível pensar nas primeiras colocações no concurso estadual”, acredita Nelson Menolli.

Município assina termo de concessão de uso de barracão para servir como central de comercialização da Associação da Agricultura Familiar de Jacutinga

Município assina termo de concessão de uso de barracão para servir como central de comercialização da Associação da Agricultura Familiar de Jacutinga

Os três primeiros colocados foram Valdecir Souza, que ficou em primeiro lugar e levou um cheque de R$ 1 mil; Valdecir Teixeira, que ficou em segundo e recebeu um cheque de R$ 600; e Walter Marcomini, que foi o terceiro e recebeu um cheque de R$ 400. “O resultado foi ótimo, foi uma luta conseguir produzir esse café, porque a broca atingiu muitas lavouras, além disso, tivemos que fazer a colheita apenas dos grãos vermelhos, o que deu muito trabalho, mas o resultado compensou”, disse o produtor vencedor Valdecir Souza.

Ele também está bem animado com o concurso estadual e ressalta que a participação dos cafeicultores de Ivaiporã, no ano passado, ajudou a incentivar a participação de mais produtores no evento.

Incentivo

Para a gerente da Seab de Ivaiporã, Vitória Maria Holzmann, o incentivo à cafeicultura mostra como a gestão municipal está valorizando o pequeno produtor, que é quem movimenta a economia do município e que essa iniciativa colocou o distrito de Jacutinga no mapa da produção de café com qualidade no Estado do Paraná. “Isso é uma visão muito boa do gestor, que considera a produção rural como aquela que move o município”, ressalta.

O gerente da Câmara Setorial do Café no Paraná, Francisco Barbosa Lima, elogiou o envolvimento da prefeitura no incentivo à produção de café e isso faz com que a pequena propriedade seja valorizada. Para ele, esse incentivo, principalmente em um ano ruim para o setor, como foi 2019, com doenças, clima desfavorável e preços baixos, dá força para que o agricultor tenha resistência e continue acreditando na atividade.

O secretário municipal de Agricultura, Adir Salla, comenta que apesar dos problemas enfrentados pelos produtores, o resultado foi muito positivo, o que demonstra que é possível produzir café com qualidade, que agrega valor ao produto. Ele lembra o apoio do município a iniciativas como da agroindústria Ravar, que está processando e comercializando o próprio café.

Para o prefeito de Ivaiporã, Miguel Amaral, o incentivo do município está mostrando que o distrito de Jacutinga tem condições de produzir um café com qualidade e que o 1º Festival do Café, realizado em 2018, fez com que o café de Ivaiporã ficasse entre os cinco melhores do Brasil no concurso promovido pela ABIC. “A importância é que esses produtores terão condições de acessar um novo mercado, que é a produção do café com qualidade”, frisa. Ele garante que a prefeitura vai continuar apoiando e incentivando a cafeicultura no município.

A final do Concurso Estadual Qualidade Café Paraná será realizada pela primeira vez em Ivaiporã, no dia 24 de outubro, no Scaramal Eventos.

Família de Valdecir Souza recebe prêmio de primeiro colocado no concurso Café Qualidade Ivaiporã

Família de Valdecir Souza recebe prêmio de primeiro colocado no concurso Café Qualidade Ivaiporã

Comentários