Prefeito de Ivaiporã diz que ação contra ele não procede e que a justiça reconhecerá isso no decorrer do processo

Prefeito faz esclarecimento

Prefeito faz esclarecimento

O prefeito de Ivaiporã Miguel Amaral informou, por meio nota de esclarecimento, que a Ação por Ato de Improbidade, iniciada pelo judiciário contra ele, não vai prosperar. "O juiz não decidiu nada ainda, apenas recebeu o processo, iniciado pelo Ministério Público, e vai ouvir a nossa parte, para depois dar sua sentença", destacou o prefeito.

Para Miguel Amaral, os funcionários de qualquer instituição, seja pública ou privada, são fundamentais para que garantir os bons serviços e o atendimento da população. "São eles que recolhem os resíduos sólidos (lixo) de sua casa, são os responsáveis pelo bem estar de 33 mil pessoas o ano inteiro, cuidando da iluminação pública e todos os demais serviços essenciais que a população só dá valor quando lhe falta", destaca o prefeito, afirmando que o rigor do promotor Cleverson Tozatte foi exagerado. "Acredito que, no decorrer do processo, vamos provar que uma Prefeitura, que trabalha com aproximadamente R$ 90 milhões de reais por ano, e que já está com as suas contas de 2017 e 2018 aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Paraná, pode investir R$ 18 mil reais num jantar e palestra interativa e motivacional aos seus funcionários. "Um funcionário motivado ele dá lucro e presta melhores serviços aos seus empregadores, no caso a população de Ivaiporã. "Temos investido em cursos de treinamentos com palestras motivacionais desde que entramos na Prefeitura. Estou tranquilo e acredito no bom senso do poder judiciário, que vai entender, ao final do processo, que não teve dolo, má fé ou prejuízos ao erário público. Tivemos, sim, funcionários mais empenhados e felizes para atender melhor o nosso povo, que foi o grande beneficiado com a iniciativa de premiar os servidores do município", finalizou o prefeito, que disse que nem foi intimado ainda, mas quando isso acontecer, vai fazer sua defesa e acredita na absolvição total e na seriedade da nossa justiça.

Veja a Nota de Esclarecimento na íntegra.

Nota de Esclarecimento

O prefeito Miguel Amaral vem a público esclarecer as notícias da Ação Civil Pública, que visa esclarecer um jantar e uma palestra motivacional oferecida aos servidores públicos da Prefeitura de Ivaiporã:

1 - A Ação Civil Pública, iniciada pelo Ministério Público e aceita pelo juízo, visa esclarecer e julgar o entendimento inicial do juízo;

2 - Ou seja, vamos ter a oportunidade da AMPLA DEFESA e de provar que não houve prejuízo ao erário público;

3 - Entendemos que toda corporação precisa, obrigatoriamente, investir no crescimento profissional de seus funcionários e a única maneira de fazer isso é com cursos, palestras, treinamentos técnicos e motivacionais;

4 - Baseado nessa premissa, os gestores públicos ou privados, têm em sua "cartilha" promover a participação de seus colaboradores em eventos promovidos por terceiros ou dentro de seus próprios estabelecimentos;

5 - No caso da Prefeitura de Ivaiporã, que tem aproximadamente 900 funcionários e é considerada uma das melhores do Paraná, o treinamento e a motivação são ferramentas importantes e fundamentais para garantir bons serviços e resultados positivos;

6- O modesto jantar foi servido em comemoração ao dia do servidor público municipal, evento previsto em Lei Municipal, tendo inclusive, autorização e aprovação das despesas pela Câmara de Vereadores;

7 - Portanto, um instituição que presta serviços de relevância vital e social, e movimenta cerca de R$ 90 milhões de reais por ano, obrigatoriamente tem que investir em treinamentos técnicos, palestras motivacionais e no atendimento médico físico e psicológico de seus funcionários;

8 - Para comprovar o êxito de nossas ações, estamos com as contas, de 2017 e 2018, da Prefeitura de Ivaiporã, já aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Paraná;

9 - Por fim, acreditamos no Poder Judiciário, que ao final do processo e em todas as instâncias, se for necessário, vai julgar a nossa defesa favorável e decidir pela total absolvição dos fatos.

10 - O valor do qual houve a ordem de bloqueio não guarda qualquer relação com o que efetivamente se investiu, mediante Lei municipal, foi de 18 mil;

11 - Prefeito informa que sua assessoria jurídica irá interpor, segundo o previsto em lei, o recurso cabível com defesa e contra a desproporcional ordem de bloqueio.

12 - O Brasil vive um grande momento, onde o Judiciário tem liberdade e as pessoas de bem não precisam temer e devem usar dos seus direitos para, em todo tempo, provarem seus argumentos. A justiça está aí para isso!

Comentários