Chocolate quente

Um grupo de jovens licenciados, todos bem sucedidos nas carreiras, decidiu fazer uma visita a um velho professor, agora reformado.

Durante a visita, a conversa dos jovens alongou-se em lamentos sobre o imenso stress que tinha tomado conta das suas vidas e do seu trabalho. O professor não fez qualquer comentário sobre isso e perguntou se gostariam de tomar uma xícara de chocolate quente. Todos se mostraram interessados e o professor dirigiu-se à cozinha, de onde regressou vários minutos depois com uma grande chaleira e uma grande quantidade de xícaras, todas diferentes – de fina porcelana e de rústico barro, de simples vidro e de cristal, umas com aspecto vulgar e outras caríssimas. Apenas disse aos jovens para se servirem à vontade. Quando já todos tinham uma xícara de chocolate quente na mão, disse-lhes:

– Reparem como todos procuraram escolher as xícaras mais bonitas e dispendiosas, deixando ficar as mais vulgares e baratas… Embora seja normal que cada um pretenda para si o melhor, é isso a origem dos vossos problemas e stress. A xícara por onde estais a beber não acrescenta nada à qualidade do chocolate quente. Na maioria dos casos é apenas uma xícara mais requintada e algumas nem deixam ver o que estais a beber. O que vós realmente queríeis era o chocolate quente, não a xícara; mas fostes conscientemente para as xícaras melhores…

Enquanto todos confirmavam, mais ou menos embaraçados, a observação do professor, este continuou:

– Considerai agora o seguinte: a vida é o chocolate quente; o dinheiro e a posição social são as xícaras. Estas são apenas meios de conter e servir a vida. A xícara que cada um possui não define nem altera a qualidade da vossa vida. Por vezes, ao concentrarmo-nos apenas na xícara acabamos por nem apreciar o chocolate quente que Deus nos ofereceu. As pessoas mais felizes nem sempre têm o melhor de tudo, apenas sabem aproveitar ao máximo tudo o que têm. Vivei com simplicidade. Amai generosamente. Ajudai-vos uns aos outros com empenho. Falai com gentileza… e apreciai o vosso chocolate quente.

Autor desconhecido.

Comentários